A adaptação de Death Note feita pela Netflix está dividindo opiniões entre quem já assistiu ao live-action. Há quem critique e quem defenda, mas o que ninguém pode negar é o fato do longa apresentar um enredo bastante diferente do original. 

Mas, será que Adam Wingard, diretor do filme, decidiu mesmo passar tão longe de alguns dos elementos clássicos da série? Neste artigo reunimos 10 referências, easter eggs e curiosidades sobre a adaptação da Netflix que você provavelmente não notou!

Atenção: este artigo contém spoilers para a história do filme e do anime. 

1. "Eu vou pegar um batata frita e comer"

mia comendo batata

Quando Light começa a ser constantemente vigiado pela equipe de investigação liderada por L na história original, o jovem Kira arma um plano genial envolvendo um saco de batatas fritas para continuar a usar o Death Note e não levantar suspeitas sobre si próprio. 

Com uma mini-TV escondida dentro do pacote de batatas, Light consegue acompanhar as notícias (saber os nomes e rostos dos criminosos capturados naquele dia) e usar o Death Note para continuar a executar o seu plano. Desta forma, L supostamente não suspeitaria do jovem, visto que ele (aparentemente) passou a noite em seu quarto, comendo batatas fritas e estudando, sem contatos com as informações divulgadas na televisão. 

Bem, esta cena de Death Note tornou-se icônica entre os fãs, incluindo a famigerada frase de Kira: "Eu vou pegar uma batata frita e comer"

No filme, Mia Sutton aparece comendo um pacote de batatas fritas enquanto assiste a um filme no quarto de Light. Em outro momento, quando o jovem pega o Death Note que estava sobre a sua mesa, nota-se que esta está totalmente suja com restos de batata. Tudo isso nos leva a crer que a famosa "cena das batatas" realmente existiu na história do filme.

2. Os nomes no Death Note de Light Turner

nomes no death note

Ao contrário do anime, Light Turner recebe um Caderno da Morte que claramente já foi bastante usado. Enquanto o jovem folheia o Death Note, notamos vários nomes escritos com diferentes caligrafias e, aparentemente, em épocas distintas.

Curiosamente, alguns dos nomes identificados são de pessoas que existiram de verdade, como: Jean Chabot (legislador canadense que morreu em 1860); Michel Claparede (general francês que morreu em 1842); Charles Adrien (um palhaço suíço, considerado o "Rei dos Palhaços", que morreu em 1959); e André Masséna (comandante militar francês, morto em 1817).

É impossível não notar como o Caderno da Morte aparentemente passou um bom tempo em terras europeias, mais precisamente na França. E ao analisarmos alguns desses nomes, podemos supor que o antecessor de Light provavelmente usava o Death Note como uma poderosa arma política

3. "The World"

death note

Na cena em que Light conhece Ryuk, enquanto o rapaz de aproxima do shinigami na sala de aula que está totalmente destruída, é possível enxergar na parede ao fundo a palavra "The World"

Alguns fãs acreditam que esta é uma singela referência ao nome da primeira música de abertura do anime: The WORLD, da banda japonesa Nightmare.

4. Referência ao Reino dos Shinigami

shinigami realm

Não existe qualquer referência direta sobre a existência de outros Deuses da Morte ou mesmo do Reino dos Shinigami no filme da Netflix. 

No entanto, quando Light estava consultando as regras do Death Note, numa rápida cena é possível ver parte da regra 65 que menciona claramente a expressão "Reino dos Shinigami" (Shinigami Realm, em inglês). Ou seja, mesmo que não seja citado no longa, fica clara a existência do mundo dos shinigami (e de outros deuses da morte) nesta versão de Death Note.

5. L + Near + Mello

l near e mello

Sabemos que uma das características mais particulares de L é o seu amor por doces. De acordo com o próprio, o açúcar ajuda a potencializar as suas capacidades dedutivas, entre outras coisas. 

No filme, como era de se esperar, o L aparece rodeado por muitas guloseimas, mas não apenas... Também é possível enxergar alguns brinquedos e puzzles perto do investigador, uma clara referência ao sucessor do detetive no mangá/anime: Near

Se o L da versão Netflix também é o Near da história original, o que impediria o diretor de juntar o Mello ao time. Pelo menos isso explicaria o motivo do detetive ser tão emocionalmente instável no filme.

6. Mia = Misa + Mikami

Misa mia mikami

Mia Sutton é tão diferente de Misa Amane que chega a ser difícil afirmar ser a cheerleader representa a personagem da popstar nipônica na história original. No entanto, alguns pequenos detalhes ao longo do filme nos mostram que sim, Mia é Misa, mas não apenas... 

Em determinada cena, vemos um olho de personagem de anime colado na janela do quarto de Mia. Seria uma referência aos Olhos de Shinigami que Misa Amane tem no mangá/anime?

O comportamento de Mia no filme também lembra o do próprio Kira, mais precisamento o de Teru Mikame, conhecido como X-Kira. A jovem, assim como o quarto Kira do anime, também se apossou do Death Note para tentar ajudar Light a conquistar o seu objetivo.

7. Referências ao Japão

kira death note

O Death Note ocidental se passa em Seattle, nos Estados Unidos, mas o filme apresenta uma série de referências ao país do Sol Nascente. 

Durante a cena do sequestro, quando Light prova à Mia os poderes do Death Note, o crime ocorreu no bairro de Little Tokyo, para remeter os fãs da série ao ambiente oriental visto na história original.

Diferente do que acontece no mangá/anime, Light Turner é quem se autointitula como Kira, justificando como sendo o semelhante a palavra killer, com a pronúncia japonesa. O jovem também começa a matar muitos criminosos japoneses, com a ideia de que todos pensassem que na realidade o Kira seria um japonês e não um americano.

Outro detalhe que remete à história original japonesa é a permanência do termo "shinigami" (como já vimos antes) no filme. A cena em que Light aparece lendo um livro sobre os deuses da morte orientais é um bom exemplo disso.

8. Ataques do coração? Light Turner é bem mais criativo... 

causas mortes

Na cena em que o Detetive Turner é apresentado à Watari, o policial encontra o seu escritório vandalizado pelos seus colegas que defendem os atos de Kira. É possível ver um quadro onde o investigador fez uma lista com o nome e a causa da morte de todos os assassinatos que, provavelmente, estariam relacionados ao Kira.

Ao contrário do serial killer dos mangás, que predominantemente matava apenas com um ataque no coração as suas vítimas, Light Turner mostrou ser bastante mais criativo ao imaginar a causa das mortes. 

Entre alguns dos "destinos finais" vistos no quadro estão: comido por um tilacino (tigre-da-tasmânia); atacado por um tubarão-cabeça-chata; esmagado por um lustre de cristal; eletrocutado enquanto tocava guitarra na banheira; entre outros.

9. Watari e o Mágico de Oz

magico de oz

A música que Watari cantou para L conseguir dormir pertence ao filme O Mágico de Oz. A canção original marca a cena em que Dorothy e seus amigos estão pulando por um campo florido antes de chegar à Cidade das Esmeraldas. No entanto, o campo estava enfeitiçado e todos acabaram caindo num sono profundo, com exceção do Homem de Lata e do Espantalho. 

Aliás, as flores parecem ter um significado particular em Death Note (o filme), ao analisarmos algumas cenas mais atentamente... 

10. Flores, borboletas e a morte

mia flores

As flores parecem transmitir alguma simbologia relacionada a morte nesta versão de Death Note. Calma, vamos explicar. Nas duas principais mortes que o filme apresenta, uma no começo e outra no final, as vítimas morrem próximas de muitas flores. 

A primeira morte importante (quando Mia descobre os poderes do Death Note) é do sequestrador, que é atropelado em frente a uma floricultura. A outra é a morte da própria Sutton, que despenca da roda-gigante e cai em cima de um carro cheio de flores. 

Se as flores representam a morte, então provavelmente as borboletas serias as "mensageiras da morte" ou "semeadoras da morte". E borboletas são o que mais vemos quando analisamos de perto Mia Sutton, seja em seu quarto, no seu armário na escola e em outros momentos ao longo do longa, sempre tem a figura de uma borboleta perto da garota. 

Seria Mia "Misa" Sutton uma melhor representante dos shinigamis do que Light Turner? Com certeza sim!

11. Projeto Montauk

montauk

É revelado na história original que L vivia no orfanato conhecido como Wammy's House, um lar para crianças superdotadas. Já na versão da Netflix, descobrimos que o jovem detetive morava em uma "casa em Montauk", local este onde foi treinado para ser investigador. 

A tal "casa em Montauk" é uma clara referência ao Projeto Montauk, um suposto programa de experimentos bizarros que era liderado pelo governo dos Estados Unidos em Camp Hero State Park, em Long Island. 

O propósito do Projeto Montauk seria desenvolver técnicas e investigações exóticas, como viagens no tempo, viagens no hiperespaço, viagens dimensionais, entre outras. Aliás, Stranger Things, uma série de sucesso da Netflix, teria sido baseada nesta "lenda urbana".

EXTRA: O modo que L segura o telefone

l segura telegone

Está totalmente errado... 

E você, já assistiu a adaptação de Death Note feita pela Netflix? Muitos dizem que o filme está tão diferente que parece um longa-metragem adolescente de terror com easter eggs de Death Note do que uma adaptação do mangá.

Opiniões a parte, deixe nos comentários as referências e easter eggs que você conseguiu encontrar no filme!