Crítica Inumanos: uma estreia desastrosa para o Universo Marvel

A série Inumanos (Marvel Inhumans, no original) fez finalmente sua grande estreia em todo o mundo. Nos últimos meses houve muita especulação sobre a qualidade duvidosa da produção e agora temos finalmente a resposta.

Essa é nossa crítica sem spoilers dos dois primeiros episódios de Inumanos, em sala IMAX.

Marvel, precisamos falar

Inumanos

A Família Real dos Inumanos e a sua intriga política fizeram muitos fãs dizer que essa série se poderia tornar o Game of Thrones do Universo Cinematográfico Marvel. Mas não existe nada em comum entre as duas produções, com a exceção do talentoso Iwan Rheon que vive agora o manipulador Maximus e dantes foi o cruel Ramsay Bolton.

Inumanos tinha todo o potencial de uma história rica dos quadrinhos e as lições aprendidas do universo cósmico do UCM. Mas consegue pegar em tudo isso e descartar sem misericórdia, substituindo por um produto incompreensível.

Um roteiro sem defesa possível

Raio Negro e Medusa

Não há como negar que este é o ponto mais fraco de Inumanos. Os diálogos são pobres de estilo e conteúdo, mostrando sem nenhuma sutileza as intenções dos personagens e cortando qualquer mistério que a trama possa indiciar.

Infelizmente, ao longo dos dois episódios da estreia, são frequentes os diálogos que causam vergonha alheia ao espectador. Os problemas do roteiro desinspirado resultam ainda em um enorme desequilíbrio no tom da série. Fica óbvio que não existe uma definição clara da direção da série, com um gerenciamento tosco entre cenas de comédia e momentos de drama tipo novela das 9 do Manoel Carlos.

Um elenco prejudicado pelas várias falhas da produção

Raio Negro e Maximus

Um ator pode ser magnífico para um papel, mas ele não irá longe sem um bom roteiro e uma direção de atores competente. Em Marvel Inhumans, temos a prova de como isso pode ser perigoso para quem encarna os personagens. Assistimos a grande parte do elenco fazendo o melhor que consegue com os diálogos risíveis e alguma desorientação da identidade dos seus personagens.

As melhores interpretações são de Iwan Rheon (Maximus) e Anson Mount (Raio Negro), que têm muito mais potencial do que lhes é permitido mostrar e é visível o esforço de ambos. Especialmente no caso de Mount, é surpreendente o à vontade e entendimento que o ator tem do herói, criando um Raio Negro silenciosamente cativante e até divertido.

Serinda Swan entrega uma Medusa decepcionante, caindo em uma interpretação melodramática com seu esforço em excesso. Ken Leung (Karnak), Eme Ikwuakor (Gorgon) e Isabelle Cornish (Crystalis) são as maiores vítimas do roteiro fraco e seus personagens não deixam marca.

Uma Attilan sem brilho

Maximus

Contribuindo para os principais pontos negativos estão os figurinos de baixa qualidade e os espaços interiores de Attilan. Quem sofre especialmente com a produção pobre é a rainha Medusa, que está longe da classe esperada para a realeza. Os espaços interiores são austeros e é visível a falta de imaginação na arquitetura uma sociedade que vive na Lua – algo que tinha tudo para dar asas à criatividade da produção.

Os efeitos especiais cumprem o seu papel sem impressionar, limitando-se apenas a serem suficientemente credíveis. O famoso cabelo de Medusa está melhor do que o esperado nessa versão final, mas com alguma inconstância na sua qualidade entre diferentes cenas.

Sim, a série tem pontos positivos

Dentinho

O melhor de Marvel Inhumans é que parece não se levar demasiado a sério. Com toda a inconstância do roteiro e um produto final de qualidade duvidosa, a verdade é que existem momentos genuinamente engraçados que dão alguma esperança para o futuro da série.

Um dos pontos mais positivos de Inumanos é Dentinho, o cachorro mais adorável da Marvel. O CGI dessa fera está bem conseguido, sendo impossível não sorrir sempre que Dentinho aparece em cena.

O estranho caso da estreia em IMAX

Crystalis

O que levou a Marvel a decidir estrear Inumanos em cinema? Essa é realmente a nossa pergunta. Nada na série justifica uma escolha monumental como essa. Todos os pontos negativos que descrevemos são ampliados astronomicamente em IMAX, especialmente tudo o que concerne os efeitos especiais.

Não é possível imaginar que Inumanos faça parte do Universo Cinematográfico Marvel

Raio Negro e Dentinho

Simplesmente não dá. Como é possível esperar que o público acredite e aceite que esta Família Real esteja no UCM com Homem de Ferro ou Capitão América? A qualidade da produção é tão profundamente inferior que não é justo sequer comparar, com Inumanos pertencendo a uma categoria à parte de tudo o que o UCM tem até hoje.

Compreendemos que os orçamentos das produções estão a quilômetros de distância uns dos outros, mas isso só assinala queeste projeto não foi apoiado como devia. Os Inumanos têm uma história vasta e interessante nos quadrinhos com muito para explorar e mostrar a um público que não conhece as HQs.

Depois de Guardiões da Galáxia, é difícil aceitar que não é possível fazer melhor com o universo cósmico da Marvel. Foi a própria Casa das Ideias quem elevou o padrão de exigência dos seus fãs, e é ela quem é responsável por manter a coerência e qualidade do universo que criou.

Apesar de tudo, queremos continuar assistindo

Karnak

Inumanos é uma série com várias falhas, mas, mesmo assim, dá vontade de continuar assistindo ao destino da Família Real de Attilan. Talvez por sermos fãs dos quadrinhos ou por acreditarmos que este possa ser um início desastroso que dará origem a algo melhor, permanece a vontade de dar uma chance à série.