Um dos personagens mais lendários de Game of Thrones, o Rei da Noite é uma figura que inspira o terror a todos que conhecem o seu nome. O livro e a série oferecem origens e teorias diferentes sobre este mítico vilão que promete trazer finalmente o Inverno a Westeros.

Conheça agora as origens e histórias sobre o líder dos Caminhantes Brancos, o Rei da Noite.

Spoilers para os livros e série de Game of Thrones.

Origem da lenda dos livros

Rei da Noite e sua rainha

Nos livros de G.R.R. Martin, a informação que existe sobre o Rei da Noite e seu exército de Outros (o nome dado na saga literária aos Caminhantes Brancos) é escassa e transformada em lenda. Estas velhas histórias eram contadas pela Velha Ama da família Stark e é através de Bran que temos conhecimento de muitas delas.

Segundo as histórias antigas, o Rei da Noite surgiu na Era dos Heróis, muito depois do evento tenebroso conhecido como a Longa Noite quando a escuridão caiu sobre todo o mundo conhecido e os Outros tiveram seu reinado de destruição.

Mas antes do Rei da Noite se tornar uma lenda terrível, ele era o 13º Lorde Comandante da Patrulha da Noite. Segundo a Velha Ama, o líder dos Corvos “era um homem que não conhecia o medo. E essa foi sua falha, pois todos os homens devem conhecer o medo.” Além da Muralha, o homem sem medo conheceu o amor junto da criatura mais improvável: uma Outra.

Encantado pela Caminhante Branca “com pele branca como a lua e olhos como estrelas azuis”, o Lorde Comandante largou tudo para se unir a ela. Entregando seu corpo à criatura com “pele tão fria como gelo”, ele se transformou ele mesmo em um Outro. Mas isso não significa que ele tenha abandonado a Patrulha da Noite que liderava – e assim iniciou seu domínio de caos.

Levando consigo sua mulher para o seu lado da Muralha, o Lorde Comandante se autoproclamou o Rei da Noite e estabeleceu seu quartel-general em Fortenoite durante 13 anos. Com sua rainha de gelo ao seu lado, ele enfeitiçou os membros da Patrulha da Noite para que fizessem tudo o que ele ordenava.

O fim do seu reino de terror

Brandon Stark mata a Rainha da Noite

As atrocidades cometidas pelo Rei da Noite e sua rainha nunca foram exploradas, se sabendo apenas que existiram inúmeros sacrifícios humanos durante seus 13 anos no poder. Foram necessárias as forças unidas entre o Norte e Povo Livre para fazer o Rei da Noite desaparecer.

Foi criado um pacto entre Brandon Stark, o Transgressor, e Joramun, o Rei-para-lá-da-Muralha, para destruírem a ameaça dos Outros e libertarem a Patrulha da Noite. Na batalha final, foi dito que Joramun soprou o Berrante de Inverno e assim acordou os gigantes que vieram em seu auxílio. Milhares de anos depois, o Povo Livre continua acreditando que esse objeto seria capaz de fazer a Muralha cair, se soprado novamente.

Com a derrota do vilão, a Patrulha da Noite sofreu várias consequências e conheceu novas regras para impedir que voltassem a ser dominados novamente. Todos os castelos do exército não podem ter fortificações a sul, para que não se oponham às terras que são obrigados a defender. A Patrulha da Noite passou a ser politicamente neutra, servindo apenas o reino dos homens, como guardiões mas nunca governantes.

O homem por trás da lenda

Rei da Noite

Após a batalha final, todos os registros com o nome verdadeiro do infame Lorde Comandante foram apagados. Brandon Stark ordenou que qualquer indício da verdadeira identidade do Rei da Noite fosse totalmente eliminado dos livros de História.

Oficialmente ficou a lenda de que esta ordem se devia pela descoberta dos sacrifícios humanos aos Outros e para tentar proteger as gerações seguintes desta lenda cruel. Mas existe uma outra versão dos acontecimentos, algo que não passa de um rumor mas que foi forte o suficiente para sobreviver aos milênios de história.

Existe uma teoria alternativa que sugere que o Rei da Noite era um homem da Casa Stark. Devido à sua identidade, Brandon Stark quis apagar qualquer memória que ligasse sua família a um vilão que poderia manchar todo o legado dos Lordes de Winterfell. Ao longo do tempo, outras famílias nortenhas foram apontadas como estando na origem do Rei da Noite, desde os Bolton aos Umber, entre muitas outras.

A série mostrou uma origem bem diferente

Folha se preparando para transformar o homem

Desde a quarta temporada de Game of Thrones que o público assistiu a várias aparições do Rei da Noite. Primeiro como uma visão de Bran, depois convertendo o bebê de Craster em um Caminhante Branco, liderando o massacre em Durolar e, por fim, deixando sua marca em Bran na sexta temporada.

Foi sua presença na temporada 6 que ficamos a conhecer as origens do Rei da Noite na série. Quando Bran estava na caverna do Corvo de Três Olhos, ele tem uma visão que mostra a criação do vilão. O Rei da Noite aparece inicialmente como um humano amarrado a uma árvore, após ter sido capturado pelos Filhos da Floresta.

Ele era um dos Primeiros Homens e foi transformado contra a sua vontade. Foi Folha quem colocou um punhal de obsidiana no coração do homem e criou o primeiro de muitos Caminhantes Brancos. Quando Bran retorna dessa visão, ele confronta Folha que explica que eles criaram esses seres para se defenderem dos Primeiros Homens. Os Filhos da Floresta estavam sendo massacrados e suas árvores sagradas estavam sendo cortadas, e a criação dos Caminhantes Brancos foi uma tentativa de sobrevivência contra os invasores.

George R.R. Martin falou sobre as diferenças entre os dois Reis

Rei da Noite

Com as diferenças profundas entre os dois Rei da Noite, tudo parece indicar que estamos perante duas figuras distintas. No livro, o nome originalmente usado é Night’s King, mas na série o apóstrofo desaparece e se torna somente Night King. Ambos foram traduzidos para português como Rei da Noite, mas esse detalhe da língua inglesa pode fazer toda a diferença.

George R.R. Martin é o autor da saga literária e a melhor fonte a quem os fãs podem questionar sobre estas diferenças. E foi exatamente isso que um fã fez, lançando a pergunta sobre as diferentes formas de escrever o nome do vilão e divergências na origem. O autor respondeu que continuava a preferir a forma Night’s King e acrescentou que:

“(…) nos livros ele é uma figura lendária, semelhante a Lann o Esperto e Brandon o Construtor, e não há mais chances dele ter sobrevivido até aos dias de hoje do que eles.”

Quando a série ultrapassou os livros existentes, os criadores foram obrigados a continuar o desenvolvimento da mitologia de Westeros. Game of Thrones já fez várias mudanças no cânone original estabelecido em As Crônicas de Gelo e Fogo, e o Rei da Noite parece não ser exceção.

Seja na sua forma literária ou televisiva, uma coisa é certa: esta figura lendária não terminou ainda de contar a sua história.