O segredo mais bem guardado de Game of Thrones foi agora revelado: o nome verdadeiro de Jon Snow é Aegon Targaryen. O nome do bastardo de Winterfell não era o tão esperado e popular Jaehaerys, como muitos pensavam desde o final da sexta temporada.

Embora Jaehaerys Targaryen tenha uma história com paralelismos com a de Jon, foi o nome do grande conquistador de Westeros quem prevaleceu na escolha do nome. E qual é a importância do nome Aegon? Descubra o significado deste poderoso nome e o que ele nos revela sobre o passado do pai verdadeiro de Jon Snow.

Spoilers para a série e os livros.

O mais famoso Aegon da história de Westeros

Aegon e suas irmãs, Rhaenys e Visenya

A linhagem Targaryen é uma das mais longas de Game of Thrones e a sua história em Westeros começou com Aegon, o Conquistador. Com suas irmãs e esposas Visenya e Rhaenys, seus três dragões e um exército, Aegon conquistou e uniu seis dos sete reinos do continente.

O Trono de Ferro foi construído com espadas dos seus inimigos, desenhado para que os reis que nele se sentassem não se sentissem demasiado confortáveis com o seu poder. Aegon é assim a representação máxima do poder em Westeros, uma figura envolta em lenda e um destino maior que a própria vida.

Com um antepassado tão poderoso na família, faz sentido que Rhaegar chamasse seu filho de Aegon. Mas o problema é que o Príncipe já tinha um filho com esse nome, fruto do seu casamento com Elia Martell.

Antes de Jon nascer, Rhaegar já tinha um filho chamado Aegon

Elia Martell e seus filhos

Antes de se casar com Lyanna Stark, Rhaegar Targaryen foi casado com Elia Martell e teve dois filhos com ela: um garoto chamado Aegon e uma menina chamada Rhaenys. Estas crianças e sua mãe foram brutalmente assassinadas pelo Montanha, quando Tywin Lannister traiu os Targaryen durante o Saque a Porto Real.

A Rebelião de Robert Baratheon clamou muitas vidas em nome do suposto sequestro da sua futura noiva, Lyanna Stark. Mas como os fãs da série agora sabem, esse sequestro foi na verdade a fuga de duas pessoas que largaram tudo para viverem o seu amor. O Príncipe anulou o seu anterior casamento – algo nunca antes visto em Westeros – e arriscou tudo pela jovem do Norte.

Mas será que Rhaegar estaria realmente apaixonado por Lyanna? O que levaria um homem conhecido pela sua bondade a renegar sua mulher e filhos legítimos?

O Príncipe obcecado com profecias

casamento de Rhaegar e Lyanna

Para entender o que levou à repetição do nome Aegon e as escolhas de vida de Rhaegar, precisamos primeiro olhar para a sua infância. Nos livros, é descrito como Rhaegar era uma criança que adorava ler e não tinha interesse em lutar ou brincar com os outros garotos. Mas um dia, algo que leu nos livros o mudaria para sempre, como revelou Barristan Selmy:

“Até que um dia o Príncipe Rhaegar encontrou algo em seus pergaminhos que o mudou. Ninguém sabe o que pode ter sido, só se sabe que o garoto apareceu no pátio uma manhã, no momento em que os cavaleiros vestiam as armaduras. Foi direito a Sor Willem Darry, o mestre de armas, e disse: "Vou precisar de espada e armadura. Parece que tenho de ser um guerreiro.”

A sua mudança de comportamento levou a que Rhaegar se transformasse em um guerreiro lendário e um dos melhores cavaleiros do reino. Várias fãs acreditam que aquilo que Rhaegar encontrou nos pergaminhos foi a profecia do Príncipe que foi Prometido.

Nos livros, Aemon Targaryen (meistre da Patrulha da Noite e tio de Rhaegar) conta a Sam Tarly que ele conversou com o sobrinho sobre a profecia. Inicialmente ambos acreditavam que Rhaegar era o herói dos augúrios mas, mais tarde, o herdeiro Targaryen começou a crer que seria um filho seu quem se tornaria esse Príncipe.

Existem várias pistas que mostram o quão obcecado Rhaegar ficou com a ideia de um filho seu ser o Príncipe que foi Prometido. Ele estava convencido de que precisava ter três filhos para cumprir a profecia, e foi sugerido nos livros que ele insistia nesse detalhe com sua mulher Elia.

Em A Fúria dos Reis, Daenerys teve várias visões durante sua passagem pela Casa dos Imortais e uma delas mostra Rhaegar aparentemente falando com uma mulher na cama que seria Elia:

“O homem tinha os cabelos do irmão, mas era mais alto, e seus olhos eram de um tom escuro de índigo, e não lilases.

– Aegon – ele disse para uma mulher que amamentava um recém-nascido numa grande cama de madeira. – Que nome seria melhor para um rei?

– Fará uma canção para ele? – a mulher perguntou.

– Ele já tem uma canção. É o príncipe que foi prometido, e é sua a canção de gelo e fogo – ergueu o olhar quando disse aquilo, e seus olhos encontraram os de Dany, e pareceu que a via ali em pé através da porta. – Terá de haver mais um – ele disse, embora Dany não soubesse dizer se estava falando para ela ou para a mulher na cama. – O dragão tem três cabeças.”

Ao longo dos anos, vários fãs têm tentado decifrar o enigma da frase “o dragão tem três cabeças”, com a teoria mais popular sendo a de que se refere a três montadores de dragões. Existem indicações nos livros de que Elia teria uma saúde frágil e não poderia engravidar uma terceira vez, algo que colidia com os planos do marido.

Isto poderá ser um dos motivos que levou Rhaegar a buscar um terceiro filho com outra mulher. Especialmente pelo fato de querer que ele fosse legítimo, isso explicaria a necessidade de casar com Lyanna e não de simplesmente a ter como amante.

As escolhas e ações de Rhaegar continuam sendo um mistério para todos, excepto talvez Bran Stark (e agora Corvo de Três Olhos). Será possível que tenha dado um destino cruel a Elia Martell e seus filhos, à família Stark e a todos que sofreram com a guerra em nome de uma profecia? Talvez nunca tenhamos uma resposta às verdadeiras razões dos seus atos.

O (provavelmente) falso Aegon

Griff e Jovem Griff

Como se toda a história em volta do nome Aegon não bastasse, existe nos livros um personagem que complica ainda mais a trama. Seu nome é Jovem Griff mas ele afirma ser Aegon Targaryen, filho de Elia e Rhaegar.

Nos livros, Varys revela que salvou o filho da família real ao trocá-lo por um bebê camponês. Quem teria morrido às mãos de Montanha teria sido a criança pobre, enquanto o verdadeiro Aegon foi secretamente transportado para um local seguro à confiança de Illyrio Mopatis.

Durante anos, Varys e Illyrio Mopatis conspiraram para colocar Aegon no Trono de Ferro, vendo ele como a grande esperança dos Targaryen. Mas não existe consenso sobre a identidade do Jovem Griff, tanto nos personagens como no público, não existindo ainda confirmação sobre ele ser realmente um Targaryen.

Durante sua passagem pela Casa dos Imortais, Daenerys tem uma visão que parece referir a falsidade da pretensão do Jovem Griff. Ela descreve mais tarde a Jorah como viu um dragão de pano aclamado por pessoas e explica ao cavaleiro que:

“Os pantomimeiros usam-nos em seus espetáculos, para dar aos heróis algo com que lutar.”

A menção aos pantomineiros ganha novas dimensões quando lembramos que Varys foi um ator na sua juventude. Antes de ser conhecido como a Aranha, o Mestre dos Sussurros fez parte de um grupo de pantomineiros.

Esta referência surgiria novamente quando Daenerys recebe um novo aviso profético de Quaithe. A sacerdotisa de Asshai alerta a Mãe dos Dragões para os perigos e falsidades que ela encontraria no seu caminho:

“As lâmpadas de vidro estão queimando. Logo virá a égua descorada e, depois dela, os outros. A lula gigante e a chama escura, o leão e o grifo, o filho do sol e o dragão do pantomineiro. Não acredite em nenhum deles. Lembre-se dos Imortais. Cuidado com o senescal perfumado.”

O “dragão do pantomineiro” parece uma clara referência ao Jovem Griff. Varys, o antigo pantomineiro, protegeu o suposto Aegon / dragão. As profecias são abertas à interpretação e podemos tanto ver Griff como um verdadeiro dragão protegido pelo pantomineiro Varys ou como um falso dragão, sendo ele mesmo um pantomineiro / ator).

Mas o personagem do Jovem Griff nunca apareceu na série, nem existe qualquer expectativa para que ele venha a existir televisivamente. Isto leva muitos a acreditarem que ele não foi adaptado para a série porque sua identidade como Aegon virá a ser negada, e a não ter peso na história.

Contudo, a pretensão do Jovem Griff ao poder é semelhante à de Jon Snow. Como filhos de Rhaegar, ambos têm um direito maior ao Trono de Ferro do que sua tia Daenerys; será que a série vai traduzir esse elemento dos livros para Jon Snow, trocando um suposto Aegon por um Aegon canônico?

Mesmo que isso aconteça, não existe nenhum motivo para suspeitar que Jon queira esse poder supremo. Não é algo que esteja em concordância com nada do que conhecemos do personagem, que é demasiado honrado para fazer isso a Daenerys.

E com o final da sétima temporada, seria mais fácil para ambos resolverem esta questão da melhor maneira: com um casamento.

Mas será que importa qual é o verdadeiro nome de Jon?

Jon Snow

Ainda não sabemos se Rhaegar realmente desejava que seu terceiro filho se chamasse Aegon. O Príncipe Targaryen já tinha morrido no campo de batalha quando Lyanna deu à luz, e pode ter sido ela a escolher o nome. Mas além do nome e de todas as profecias, está um homem no centro da questão e esse homem é Jon Snow.

Jon Snow construiu toda a sua identidade em volta da ideia de ser um bastardo, um Snow e não alguém de uma grande Casa. Todos os sacrifícios e dificuldades que enfrentou, foi como um bastardo, não fugindo do nome que sempre conheceu.

Foi como Jon Snow que ele se tornou Lorde Comandante da Patrulha da Noite e foi aclamado como Rei do Norte. Ao contrário de muitos que vieram antes dele, Jon construiu sua reputação e liderança através da sua honra, dedicação e coragem – não por ser da realeza ou por ter desejado o poder.

Dentro do espírito do personagem é mesmo difícil de acreditar que Jon deixe de ser… Jon. Aegon pode ter sido o seu nome verdadeiro e o seu futuro, mas isso nunca irá apagar a sua verdadeira identidade.