Westworld: identidade de Arnold revelada e seu impacto na série

Quem é Arnold? Ao longo da primeira temporada, essa foi uma das perguntas mais frequentes dos fãs, gerando várias teorias mirabolantes. Com o episódio 9 “The Well-Tempered Clavier”, a identidade de Arnold foi revelada – assim como a pessoa que o matou.

Descubra agora como diferentes peças da série se encaixam e as possibilidades que apresentam para o futuro de Westworld.

Bernard = Arnold

Bernard, Clementine e Ford

Tudo começa em Bernard. A origem do anfitrião, que não sabia que era um, ganhou mais complexidade: Bernard foi criado à imagem de Arnold. O seu corpo, o seu intelecto, os gestos, maneirismos e até a forma como limpa os óculos.

Confirmado nome de Arnold

Dolores passando pelo escritório de Arnold

Quando Dolores desce às antigas instalações do parque, ela relembra vários momentos do passado. Enquanto isso, ela passa por uma porta com o nome “Arnold Weber” inscrito.

Assim fica confirmado o anagrama que muitos fãs apontaram: Bernard Lowe = Arnold Weber.

A fotografia polêmica

fotografia de Robert, seu pai e Arnold

No nono episódio, foi confirmado que Bernard não estava vendo a fotografia como ela realmente era. Devido à sua programação, Bernard não conseguiu enxergar inicialmente a sua própria imagem.

Assassinado por Dolores

Dolores

O nono episódio de Westworld reforçou muito a teoria de 3 linhas temporais (ou “momentos temporais” como sugerido por vários fãs).

As cenas que levaram à quase confirmação também foram a revelação do assassino de Arnold. Ao ver Dolores entrar na igreja abandonada, vemos 3 momentos de Dolores: com seu icônico vestido azul, com sua blusa e calças depois da emancipação em Pariah e, por fim, com a mesma roupa mas manchada de sangue (causada por Logan).

Dolores entra no confessionário, que é na verdade um elevador para as velhas instalações. Lá dentro ela lembra de vários momentos de um passado onde Arnold ainda estava vivo. A anfitriã vai à sala de vidro onde vimos várias vezes ela conversar com Bernard.

Um homem chega e ela o cumprimenta, chamando ele de Arnold – confirmando assim que todas as suas conversas tinham sido com Arnold, e não Bernard.

Nesta conversa ela implora ajuda ao seu criador, mas ele nega, afirmando que ela sabe por que ele não pode ajudar. É com tristeza e choque que Dolores se lembra da razão: ela matou Arnold.

A grande dúvida agora em Westworld é: Dolores quis matar Arnold por sua própria vontade ou foi comandada por Ford?

Uma ironia trágica

Ford e Bernard

Arnold recriou a família de Robert e colocou eles no parque, como um presente para o seu amigo. A recriação da família incluía até um jovem Robert, com quem já vimos o verdadeiro e velho Robert passear várias vezes.

Irônico que, mais tarde, Ford tenha criado um anfitrião à imagem de Arnold – dando assim continuação ao ciclo de humanos substituídos por robôs.

A necessidade insana por controle de Ford

Ford

A criação de um robô à imagem de um amigo de longa data é, francamente, desconcertante e assustadora. Especialmente se pensarmos que Bernard é um Arnold que pode ser controlado e manipulado por Ford, algo que o original não permitia.

A grande revelação desta semana não é a identidade de Arnold ou Bernard, mas sim de Robert Ford. A sua necessidade de controlar tudo e todos que o rodeiam criam o retrato de um homem temente da sua própria humanidade.

São inúmeras as vezes em que ele critica a espécie humana e se projeta publicamente como alguém acima de emoções. Mas é o seu complexo de Deus que faz dele tragicamente humano. Construir um parque de diversões com robôs, ter um robô como único amigo e confidente, visitar sua família “parada no tempo”… Toda uma vida construída para fortificar o seu isolamento onde só ele impera, criando e destruindo as vidas de quem quiser.

A narrativa do próprio Ford é fascinante e perturbadora de assistir. Mas faltam peças essenciais para o entendimento deste personagem; tal como acontece com os seus anfitriões, falta a Robert a sua pedra angular para compreendermos as suas ações maquiavélicas e frequentemente assassinas.

O passado de Robert parece ser uma das maiores questões deixadas em aberto em Westworld. Será que veremos mais sobre a sua identidade e história no episódio final?

O que vai significar a morte de Bernard?

Ford e Bernard

No fim de “The Well-Tempered Clavier”, Robert comandou Bernard ao suicídio, com um tiro na cabeça. O fato dele ter escolhido exatamente destruir o cérebro, mostra que Robert não pretende voltar a contar com os serviços de Bernard.

Tal ato torna quase impossível a recuperação de Bernard como o conhecemos. E, embora aparentemente esta não tenha sido a primeira vez que ambos discutiram a origem de Bernard, desta vez ele foi longe de mais. Ao usar Clementine para se assegurar que Ford fazia o que ele queria, Bernard quebrou a confiança do seu criador.

A morte de Bernard mostra que nada nem ninguém fica no caminho de Ford. Mas com mais uma morte no parque, começa a ser difícil acreditar que Ford saia ileso diante da administração…