Os motivos que levam Morgan a lutar pelo valor da vida em TWD

O personagem Morgan de The Walking Dead tem uma atitude na série que poucos entendem. A sua valorização da vida mesmo diante de vilões que ameaçam a comunidade é encarada por muitos como sinal de covardia.

Mas Lennie James, o ator que dá vida a Morgan, tem outra visão sobre o sobrevivente.

O sobrevivente que escolhe não matar

Morgan e Eastman

Na sua passagem pela Comic Con Portugal, Lennie James abordou o ensinamento de Morgan de “toda a vida é preciosa” no contexto do apocalipse zumbi:

O maior desafio atual do Morgan é não libertar o Morgan louco. Acho que algumas pessoas entenderam a posição do Morgan sobre toda a vida ser preciosa, como ele sendo covarde ou vendo ele como um pacifista.”

O ator britânico falou ainda das diferenças entre Morgan e Eastman, o seu antigo mentor:

“Esse é um caminho que ele está tentando trilhar, ele não é Eastman. Eastman só podia ser como era porque se fechou em uma cabana com uma cabra. Morgan está agora no mundo procurando viver a vida sabendo que toda a vida é preciosa.”

Mas a maior razão pela qual Morgan não quer matar é exatamente por sua incrível eficácia:

“A razão pela qual Morgan não quer matar é porque ele é bom nisso. Ele já fez esse caminho, sabe o que isso fez a ele e sabe o quão fundo consegue ir. E ele não quer descer tão fundo, então é como tentar controlar a besta.”

Os desafios de Morgan na temporada atual

Morgan

A escolha de Morgan em defender Carol no final da temporada 6 foi um dos momentos que mostrou o quão facilmente ele podia voltar a ser um assassino. Lennie James falou de como isso assusta Morgan:

“Acho que é muito revelador que na final da temporada 6, quando Morgan mata o Salvador que está prestes a matar Carol, ele não dispara uma vez, nem duas. Ele usa todas as balas. Acho que essa é uma das coisas que ele tem medo. Na temporada 7, essa é uma das coisas que vai continuar a desafiar Morgan, não só na proteção de Carol mas na proteção de todas as pessoas que ele vai conhecendo em O Reino.”