Crítica Liga da Justiça: Não pode mudar tudo num filme só!

Sempre que a DC Comics se prepara para lançar um filme o mundo fica louco. Mais de que qualquer filme da Marvel, parece que as expectativas aumentam sempre que se anuncia a produção de um novo filme do Superman ou do Batman.

Tendo isto em mente, já era sabido que o mundo ia parar para assistir ao filme Liga da Justiça. Para além de reunir os personagens mais icônicos da editora norte-americana, esta foi a primeira vez que o time de super-heróis chegou à telona.

Mas será que o filme conseguiu corresponder a toda essa expectativa? Confira na nossa crítica sem spoilers!

Não pode mudar tudo num filme só

liga da justiça

Liga da Justiça é um filme que quer se marcar do universo criado em Batman v Superman, e apesar de às vezes parecer confuso, consegue apresentar um mundo mais alegre e esperançoso, sendo deste jeito um filme de super-heróis mais bem feito. Contudo, Liga da Justiça por vezes se perde em dois mundos viajando entre o sombrio e o clichê humorístico básico.

A prestação do elenco é na globalidade muito bem feita, com alguns atores se destacando. Em suma, Liga da Justiça é um filme com algumas falhas, mas bem divertido que fará as delícias de qualquer fã do gênero.

O espectador não pode se esquecer de uma coisa: ninguém pode mudar todo um universo cinematográfico num filme só!

Um filho de dois pais

directors

Apesar da Warner Bros creditar Zack Snyder como diretor de Liga da Justiça, é notória a intervenção de Joss Whedon em muitos momentos ao longo do filme. Não é que isto seja por si só um ponto negativo, no entanto o filme vive em dois reinos bem extremos.

Existe quase uma espécie de dualidade que acaba por deixar o espectador um pouco confuso. Apesar do filme se passar num ambiente visualmente realista e por vezes um pouco sombrio, existem momentos onde Liga da Justiça se perde em frases e momentos clichê um pouco forçados.

Apesar do elemento soturno ainda existir em Liga da Justiça, o filme é bem mais alegre e bem mais divertido que, por exemplo, Batman v Superman, e isso pode ser sentido em quase todos os personagens.

Ben Affleck está refletindo o desgaste

ben

Quase de forma surpreendente, Ben Affleck se destaca no filme, contudo pela maneira negativa. É notório que existe algum desgaste por parte do ator em relação ao personagem, mesmo só o tendo interpretado por uma vez antes de Liga da Justiça.

Existem cenas em que Affleck tem mesmo uma prestação sofrida a nível de representação, e isso acaba por se refletir em muito na construção do personagem. Num filme onde quase todo o elenco tem uma entrega bem acima da média, Ben Affleck acaba por desiludir.

Existe uma cena entre Diana e Bruce onde o milionário afirma que já não tem o que é preciso para fazer parte deste tipo de lutas. Este tipo de detalhes fazem com que o futuro de Affleck no DCEU pareça ainda mais incerto.

Ezra Miller roubou o show!

ezra

Sem dúvida que Ezra Miller é o ponto forte de Liga da Justiça! O ator escolhido para a difícil tarefa de interpretar Barry Allen esteve sensacional!

Para além de ter apresentado um personagem cheio de senso de humor, Ezra conseguiu passar emoção ao espectador que, por vezes, se sentia na pele do homem mais rápido do mundo.

O Flash é ainda o herói mais empático de todo o longa, deixando sem dúvida a porta aberta para o filme solo baseado no Ponto de Ignição!

Aquaman o legal, Cyborg a surpresa, Mulher-Maravilha igual a ela própria

aquaman

Já todos sabíamos que o Aquaman de Jason Momoa iria ser super bacana e a verdade é que o ator não desiludiu. São várias as cenas em que Momoa demonstra que é mais do que um cara cheio de músculos, mostrando que é capaz de criar um personagem dinâmico e carismático.

Existia grande receio em relação ao personagem Cyborg, no entanto o ator Ray Fisher surpreendeu. Apesar de por vezes os efeitos especiais comprometerem um pouco o herói, a forma como foi apresentada a sua origem, aprendizagem e evolução foi muito bem feita.

Por último, Gal Gadot não desiludiu! A atriz israelense esteve igual a si própria e captou mais uma vez de forma exímia a essência da Mulher-Maravilha, que por muitas vezes se transforma na verdadeira líder do time de super-heróis.

O vilão não acrescenta nada

steppenwolf

O Lobo da Estepe em Liga da Justiça é básico e previsível, sendo igual a muitos outros vilões de muitos outros filmes de super-heróis.

Este personagem não apresenta nenhuma surpresa, dinâmica ou caráter. O seu plano é apresentado no início do filme e é mesmo isso que ele faz. A Liga da Justiça merecia um vilão mais complexo, que tivesse algum truque na manga e que não fosse apenas um monstro gigante feito digitalmente.

Já estamos no momento em que os diretores e executivos que desenvolvem estes projetos precisam entender que um bom vilão é a base de um bom filme.

Surpresas e referências são a alegria de qualquer fã

justice

Liga da Justiça tem a sua dose bem generosa de referências aos quadrinhos e a outros filmes, apresentando ainda algumas surpresas!

O tom mais alegre e esperançoso do filme, juntamente com estes pequenos detalhes ajudam a fazer com que Liga da Justiça seja um filme mais coeso em comparação com Homem de AçoBatman v Superman ou Esquadrão Suicida. Contudo, ele ainda não é capaz de atingir o nível de Mulher-Maravilha.

Sem dúvida que este longa abre as portas para um novo mundo de oportunidades e os fãs do gênero têm todos os motivos para se sentirem otimistas em relação ao futuro do Universo Cinematográfico da DC Comics.