The Walking Dead: Quem é Pamela Milton e o que é o Império?

O episódio “The Key” teve várias emoções fortes mas foi uma aparição surpreendente que pareceu virar o jogo. Falamos de uma nova personagem que pode (ou não) ser a líder de uma importante comunidade dos quadrinhos: Pamela Milton.

Mas afinal quem é Pamela, o que é o Império e a Nova Ordem Mundial? Saiba agora e confira as nossas teorias!

Spoilers para os quadrinhos e série The Walking Dead.

O que é o Império?

Império

O Império (conhecido no original como The Commonwealth) é uma comunidade como nenhuma outra já vista no mundo apocalíptico de The Walking Dead. São um grupo muito recente nos quadrinhos, tendo aparecido apenas em novembro de 2017, na edição 173 da HQ.

A colônia localizada no estado do Ohio tem mais de 50 mil sobreviventes e contém um mundo de luxos no seu interior. Dentro do Império existe até uma arena para concertos e esportes, onde são promovidos espetáculos interpretados pelos membros da comunidade.

Nos quadrinhos, foi Eugene quem descobriu esta avançada localização. Ainda durante a Guerra dos Sussurradores, Eugene começou a comunicar com uma mulher chamada Stephanie e os dois trocaram informações sobre as suas comunidades. Uma amizade nasceu entre os desconhecidos enquanto Eugene falava de Alexandria e Stephanie contava detalhes sobre o Império.

No final da guerra com os Sussurradores, Michonne liderou um grupo na descoberta do Império. E seria nessa comunidade que a samurai descobriria algo muito mais importante: Elodie, uma das suas filhas.

A líder Pamela Milton e os segredos do Império

Pamela Milton

O Império é liderado por uma mulher chamada Pamela Milton, alguém misterioso e com uma visão de reconstrução da sociedade como era antes do apocalipse. Mas o seu discurso mostra que essa comunidade parece querer ir além da civilização como a conhecemos, e se assemelhando mais a um mundo onde cada um tem o seu papel designado e sem possibilidade de ascensão.

Quando o grupo de Alexandria chega ao Império, a única pessoa que Pamela Milton quis conhecer pessoalmente foi Michonne. E porquê? Porque Pamela soube que Michonne tinha sido advogada antes do apocalipse zumbi, algo que a distinguia (aos olhos da líder) dos seus companheiros. Por outras palavras, poder reconheceu poder – e ela não perdeu tempo em contar à antiga advogada os planos do Império:

"As pessoas precisam de algo para fazer. Nós providenciamos isso. A civilização é uma máquina. Todas as partes têm que ir no lugar certo para que ela funcione. Isso é o que fizemos. Foi um processo meticuloso, mas nós temos descobrindo todas as rodas, cintos, parafusos e engrenagens e conectando-as aos motores. (...) A civilização é um grande motor. Não pode se mover a menos que todos os motores funcionem em conjunto para se mover na mesma direção. Você sabe o que acontece se não o fizermos…? Caos."

Com estas palavras, Pamela está mostrando a Michonne que tudo tem o seu lugar e, mais importante ainda, todos têm o seu lugar. Na visão da líder, a samurai poderá vir a ser um dos motores da nova sociedade, reconhecendo o potencial de Michonne. Pamela demonstra assim ver as pessoas como peças do seu tabuleiro de xadrez, cada uma desempenhando uma função e vivendo sob uma estrutura rígida. Sob uma nova ordem mundial. E, justamente, o nome dado a este arco da história é A Nova Ordem Mundial, algo que pode dar algumas pistas das intenções de Robert Kirkman na sua criação.

No nosso mundo real, a expressão nova ordem mundial é frequentemente associada a uma teoria da conspiração. Embora seja também o nome dado à era que representa o fim do bipolarismo da Guerra Fria, é habitual ouvirmos nova ordem mundial como algo envolto em mistério. Uma teoria circula há vários anos sobre uma conspiração global criada pelas pessoas mais poderosas e influentes do mundo para dominarem o planeta. Sua principal missão seria a criação de um governo fascista, sem bandeiras nem fronteiras, que obedeceria unicamente à elite da governança.

Mesmo em The Walking Dead, não há nada de novo na ideia de um poder centralizado na mão de um só líder ou de uma elite. A diferença aqui parece ser que Pamela já era alguém muito poderoso antes do apocalipse, e a sua visão parece agora querer ampliar e reforçar o seu poder e de outros que compartilhem o seu estatuto. Isso sim é uma ideia muito interessante e que vira do avesso a ideia típica de um apocalipse: a de que todo mundo deixa o seu passado e vida anteriores e recomeça de novo, frequentemente virando pessoas completamente diferentes.

Embora o Império e todo esse arco narrativo estejam apenas no seu início, é possível já ver que nem tudo é como aparenta ser. Existe uma sensação semelhante à época de Woodbury e do Governador, e existem problemas quando Stephanie tenta contatar Eugene em pessoa quando ele chega à sua comunidade. Pamela também usa os militares para espiarem o seu filho quando ele sai da cidade e está com garotas, algo que desagrada muitos deles.

Será Georgie a Pamela Milton da série?

Georgie e Pamela Milton

No episódio “The Key” da oitava temporada, uma nova personagem apareceu surpreendentemente na série. Georgie (interpretada por Jayne Atkinson) surge para barganhar com Hilltop, propondo oferecer conhecimento em troca de comida e música.

Embora Georgie seja um nome bem diferente de Pamela e não existam mais detalhes que aproximem as duas, muitos fãs pensam que pode ser a mesma personagem. Uma teoria de alguns aficionados afirma que podemos ter visto o início do Império e de Pamela, anos antes de se tornarem a poderosa comunidade que são hoje em dia. Isso leva em conta o fato de que, durante o evento Guerra Total atualmente na série, existe uma separação de mais de dois anos com os eventos de A Nova Ordem Mundial.

Isso poderia explicar porque os guardas de Georgie são tão diferentes dos militares com equipamento avançado do Império. Mas a verdade é que também não existe nenhuma Georgie nos quadrinhos, algo que não será um esquecimento do showrunner Scott Gimple.

Em entrevista ao Insider, a atriz Jayne Atkinson, confessa ter se inspirado em Pamela Milton mas revelou que Georgie é mesmo uma criação do showrunner: Encontrei um personagem em que eu pensava ser como

“Achei uma personagem que pensei que poderia ser como ela, nos quadrinhos de The Walking Dead, mas essa é definitivamente uma criação do Scott e me foi dito que ela poderia possivelmente ter sido uma professora. (…) Ela era apaixonada por história. Então eu pensei que ela poderia ter sido uma professora de história. Mas ela teve, claramente, acesso a bibliotecas e era fascinada por civilizações.”

Algo que também parece distanciar Georgie de Pamela é a missão de compartilhar o conhecimento na reconstrução da sociedade. A atitude generosa de Georgie não é algo que vejamos Pamela fazer, uma pessoa que não parece interessada na democratização de algo tão valioso como o conhecimento. Isso abalaria as estruturas, além de que incentivaria a criação e reforço de comunidades fortes que não a sua.

E você, acredita que vimos Pamela pela primeira vez na série? Compartilhe sua opinião conosco nos comentários!