Criada por Frank Miller em 1981, Elektra Natchios é uma das personagens femininas mais marcantes do Universo Marvel. Desde o seu nome até sua história familiar, a criação da anti-heroína teve sua inspiração em tragédias e histórias da Antiga Grécia.

Sua ligação a Demolidor é uma das mais relações mais complexas dos quadrinhos e fascina os fãs há décadas. Conheça agora mais sobre a sua origem e história das HQs e descubra a verdadeira Elektra.

1. Seu nascimento foi uma verdadeira tragédia grega

Elektra

O nascimento de Elektra foi marcado pela tragédia da morte da sua mãe, com Christina dando à luz a filha momentos antes de falecer. Existem duas versões diferentes sobre quem realmente assassinou Christina e os seus motivos.

A primeira versão mostrou a mãe de Elektra atacada violentamente por revolucionários inimigos do seu marido, durante a Guerra Civil da Grécia. Em uma versão mais recente, é o seu filho Orestez que manda assassinar a mãe depois de ver o seu comportamento promíscuo e achar que é necessário punir Christina e a filha (que ele suspeita que não é do mesmo pai).

A morte da mãe e todas as circunstâncias que a envolveram, viriam a traumatizar profundamente Elektra e seriam essenciais na sua transformação em uma das mulheres mais perigosas da Marvel.

2. Relação com o pai e sua influência

Elektra

Elektra viria a crescer junto do pai, Hugo Natchios, que era embaixador da Grécia nos Estados Unidos da América. Devido ao estatuto social do pai, Elektra viria a acompanhá-lo aos EUA e a estudar na Universidade de Columbia, em Nova York.

Foi durante a faculdade que Elektra conheceu Matthew Murdock e os dois se apaixonaram perdidamente. Mas o relacionamento viria a ter um fim marcado novamente por uma grande tragédia na vida da anti-heroína: a morte do pai.

O envolvimento político do seu pai tornou toda a família um alvo de ataques terroristas, e Hugo Natchios e a filha foram vítimas de um sequestro que terminaria com a morte do embaixador. Elektra caiu em uma espiral negativa e decidiu terminar tudo com Matt, abandonar a universidade e abandonar o país.

A ligação entre Elektra e o seu pai era originalmente uma relação normal e feliz entre uma filha e o seu pai protetor. Mas anos depois, Elektra receberia uma história perturbadora e faria a ligação psicanalítica com o complexo de que ela é homônima. Na HQ Elektra: Assassin, a anti-heroína se questionou se teria sido molestada pelo próprio pai, algo que foi deixado entre uma possibilidade real ou uma falsa memória criada por ela.

3. A paixão eterna por Matt Murdock

Elektra e Demolidor

Demolidor e Elektra são dos casais mais icônicos dos quadrinhos, uma história de amor e paixão pouco aconselhada para os fãs de coração frágil. O romance dos dois começou na universidade e ambos foram o primeiro amor um do outro. Mas a tragédia da morte do pai de Elektra viria a separá-los e a colocar a jovem grega em um caminho negro de que nem Matthew poderia salvá-la.

Esse é um relacionamento que sempre teve aquele componente de perigo, com ambos a buscarem a adrenalina em conjunto e se desafiando mutuamente. Elektra representa aquilo que Matt poderia ter se tornado se não tivesse o seu conjunto de regras rígidas e o seu respeito pela vida humana – algo que a anti-heroína nunca entendeu realmente.

Ao longo dos anos eles saíram e entraram na vida um do outro, ora unindo esforços para lutarem do mesmo lado, ora lutando um contra o outro. No final, apenas algo permanece: o sentimento que os une é tão forte como aquele que os separa.

4. Ela foi aprendiz de Stick

Elektra

Após a morte do pai, Elektra rumou ao Japão para se tornar uma verdadeira guerreira e dominar o desejo de vingança que comandava seu coração. Inicialmente ela foi aprendiz de um sensei mas rapidamente o ultrapassou, graças ao seu talento natural para as artes marciais.

Com seu espírito consumido por ódio e não tendo mais nada a aprender junto do seu sensei, ele recomendou a ela um outro mestre que a ajudasse. Esse alguém seria nem mais nem menos que Stick, o mesmo sensei que treinou Matthew Murdock.

Stick era o líder dos Virtuosos, um clã de ninjas com a missão de derrotarem a organização criminosa O Tentáculo. Embora com um treinamento muito difícil, Elektra aprendeu muito junto de Stick mas não conseguiu limpar sua alma corrompida. Isso levou a que o seu sensei a expulsasse dos Virtuosos e a escurecer ainda mais o caminho de Elektra.

A guerreira acabou por entrar no clã inimigo e a se tornar uma das mais importantes assassinas do Tentáculo.

5. Anti-heroína de aluguel

Elektra e o Rei do Crime

Depois do seu aprendizado junto dos Virtuosos e do Tentáculo, Elektra se transformou em uma mercenária impiedosa. Como assassina profissional, ela servia apenas a si mesma, sem consideração para leis ou pessoas, somente dedicada às suas necessidades e desejos.

Uma mercenária de excelência, Elektra não poderia passar despercebida a pessoas que precisassem dos seus talentos únicos. E quem melhor do que o Rei do Crime para esse papel? Wilson Fisk contratou a assassina e rapidamente ela recebe a ordem de matar Foggy Nelson, o melhor amigo de Demolidor.

Mas quando Foggy reconhece a mercenária como a antiga namorada de Matt, Elektra não é capaz de o matar. A ligação com o Rei do Crime viria a se revelar fatal para a anti-heroína no momento mais dramático da sua história nos quadrinhos.

6. Morte e ressurreição

Elektra morta pelo Mercenário

Quando Elektra assumiu o seu cargo de assassina número um de Wilson Fisk, um vilão ficou seriamente obcecado com a ideia de a remover desse lugar. O vilão Mercenário tinha sido o principal matador do Rei do Crime, mas foi despedido depois depois de falhar sua tentativa de assassinato do Demolidor.

Decidido a voltar ao estatuto perdido, o Mercenário conseguiu matar Elektra, que viria a morrer nos braços de Matt. O corpo da matadora viria a ser roubado pelo Tentáculo que queria ressuscitá-la e transformá-la em uma assassina eternamente leal à sua nefasta causa. Mas o seu plano falhou quando Murdock e Rocha (sensei da ordem dos Virtuosos) conseguiram impedir a cerimônia demoníaca.

Matthew tentou ressuscitar ele mesmo o seu grande amor, mas sem sucesso. Mais tarde, Rocha descobre que, embora Matt não tenha conseguido reviver Elektra, ele conseguiu purificar a alma dela. Graças a essa purgação, Rocha foi capaz de ressuscitar a anti-heroína mas sem isto ser do conhecimento do Demolidor. Com uma nova vida em mãos, Elektra decidiu buscar seu lugar no mundo longe de todos, e só muitos anos depois voltaria a reencontrar Matt.

7. Uma assassina com poderes místicos

Elektra

Todo mundo sabe que Elektra Natchios é uma guerreira excepcional, uma verdadeira mestre das artes marciais. Mas ao longo da sua vida nos quadrinhos, a mercenária desenvolveu ocasionalmente poderes místicos interessantes.

Por associação aos Virtuosos ou ao Tentáculo, Elektra já demonstrou habilidades mentais sobrenaturais como comunicação telepática, projeção de visões e ilusões nos seus inimigos ou mesmo a possessão das mentes de outros.

Estes poderes místicos não são permanentes e são frequentemente alterados, dependendo do momento da sua história.