As críticas a 'Solo: Uma História Star Wars' já estão entre nós! (Sem spoilers)

Com o fim do embargo às críticas dez dias antes da estreia oficial de Solo: Uma História Star Wars (conforme prometido pela Disney e pela Lucasfilm), já podemos ter uma noção do que os críticos de alguns dos principais veículos da imprensa mundial acharam do longa.

E as críticas estão... (pausa para suspense!)... em geral, bem positivas! Alguns críticos parecem divididos, mas ainda elogiam pontos variados do filme. Ainda assim, a maioria aponta para um filme bem (!) melhor do que os problemas e rumores em volta de sua produção deixaram os fãs da franquia esperarem. (Via CBM)

Elenco aprovado!

han solo

ET

Assim como o próprio Han Solo, o filme não fica sem falhas, mas nenhuma é resultado do retrato que o ator Alden Ehrenreich faz do icônico fora-da-lei. Qualquer apreensão deve desaparecer rapidamente, pois o garoto de 28 anos captura o charme malandro de Han Solo sem se passar por Harrison Ford. Como você pode esperar, a interpretação de Glover do suave Lando Calrissian (e suas muitas capas) rouba a cena por toda parte. Na verdade, algumas das maiores gargalhadas de qualquer filme de Star Wars até hoje são cortesia de Lando e sua atrevida droide e co-piloto, L3-37 (Phoebe Waller-Bridge). Vamos apenas dizer que ela é ... não tímida.

Total Film

Ehrenreich? Ele basicamente arrasa, aproximando-se o suficiente da voz e dos maneirismos de Harrison Ford, de sua arrogância e do seu coração, a ponto de você realmente começar a pensar que ele se parece com um jovem Ford conforme o filme segue. Não espere que este filme voe sozinho - uma franquia é uma garantia.

/Film

Solo é muito divertido. Essa diversão é o resultado dos atores e dos personagens que eles interpretam. No centro de tudo isso está Alden Ehrenreich, que faz com que Han Solo seja seu. Ehrenreich é um moderno Harrison Ford? Absolutamente não, e tudo bem. O Han aqui não é o Han que conhecemos em Uma Nova Esperança. Ele é mais jovem, mais engraçado, mais arrogante. E Ehrenreich sabe exatamente como interpretá-lo - com uma sensação de otimismo de olhos arregalados sendo lentamente corroído pela realidade.

Opinião dividida

han solo

EW

Falando de Glover, não há spoiler para dizer que a estrela de Atlanta é facilmente a melhor coisa neste filme não muito bom. Mais do que qualquer grande peça de ação (e há muitas graças a um bom chefe do crime interpretado por Paul Bettany), é sobre o arrogante jogador de Glover, anteriormente interpretado por Billy Dee Williams, que você estará falando depois que as luzes se acenderem (bem, isso e o quanto você preferiria ver sua história de origem). Ao contrário da maioria dos filmes recentes de Star Wars, Solo se parece mais com um estudo de personagem do que com uma épica aventura de ficção científica. O Império está presente, mas principalmente como uma presença mais sentida do que vista.

The Wrap

Solo é menos um filme do que é uma página da revista Highlights que faz você se sentir bem em encontrar a cadeira e a bicicleta na imagem oculta. Como uma aventura intergaláctica, é na maior parte adequada, com alguns elementos muito bem sucedidos, mas se você pegou os nomes e lugares de Star Wars e os colocou no mundo como um filme de ação sci-fi, é duvidoso que fosse gerar muita emoção, muito menos sequências.

Collider

Solo é tecnicamente um filme de Star Wars, mas é um que estabeleceu peças no lugar de uma personalidade. É um filme cujo nível básico é "bom". Apesar de algumas cinematografias exclusivas de Bradford Young, a direção de Ron Howard é séria, impassível e completamente sem personalidade, o que é um problema quando o filme é a história de um jovem trapaceiro como Han Solo. Solo não faz nada de errado, mas também não faz muito bem.

The Hollywood Reporter

Apesar dos lapsos intermitentes, a produção prova ser mais do que uma operação de salvamento, graças principalmente a performances coreografadas, lideradas por um irresistível e carismático Alden Ehrenreich que clama Solo para si, mesmo que ele não consiga nos convencer completamente que ele é Harrison Ford.

Variety

Embora sobrecarregado com um começo lento e com uma sede de fan-service suficiente para energizar o hall H da Comic-Con por uma década, tem uma emoção, e suas sequências de ação são espetáculos à base das máquinas. Suas performances, começando com Alden Ehrenreich como o jovem Han Solo e estendendo-se a Donald Glover, que roubou a cena como seu astuto franco-aliado Lando Calrissian, são consistentemente divertidas. E graças ao diretor de fotografia Bradford Young, Solo permite momentos de real coragem e algo que se aproxima do realismo interestelar em meio ao esperado VFX de primeira linha.

Mashable

Levou sete minutos para esta crítica decidir que ela estava totalmente a bordo com essa versão de Han. O que é uma sorte, porque Solo realmente só funciona se você se importa muito com Han... Pela primeira vez, esse é um filme de Star Wars que está mais interessado na pequena foto que na grande. Solo é o filme de Star Wars mais íntimo e pé no chão que nós já tivemos, e os visuais são correspondentemente sujos.

Um filme diferente, mas que honra a franquia

solo

The Verge

Assim como seu personagem título arranca um esquema maluco na hora certa, Solo é um sucesso de capa e espada, uma aventura espacial que homenageia o DNA dos filmes originais enquanto esculpe seu espaço único no cânone. É uma delícia, mas também tem a coragem de explorar os aspectos mais sombrios de um personagem que poderia facilmente ser polido com um inofensivo e familiar brilho da Disney. Solo representa a interação mais refinada da nova fórmula da Disney/Lucasfilm - e cimenta o lugar de longa data do roteirista da série, Lawrence Kasdan, como a voz que define o universo de Star Wars.

The Guardian

Solo: Uma História Star Wars é um glorioso mito de origem para criar um dos melhores "bromances" do cinema: entre o estóico wookie Chewbacca e o insolentemente e bonito piloto rebelde Han Solo - e Alden Ehrenreich absolutamente esmaga o papel para o pó, revivendo com muito charme a memória da galanteria romântica do jovem Harrison Ford. E há outro encontro fofo, chego a pensar nisso: o amor que floresce entre homem e máquina, entre o piloto imprudente e a elegantemente icônica Millennium Falcon.

Toronto Sun

Além de ser uma interessante brincadeira no espaço, Solo também é o filme mais alegre e divertido até agora no universo expandido de Star Wars. Por esta razão, ele vai ressoar com fãs que cresceram na trilogia original, bem como crianças que são relativamente novas para a franquia.

The Atlantic

Melhor de tudo, o filme é diferente. Não há Estrela da Morte ou Base de Starkiller, nenhuma linha Imperial ou QG que precise ser infiltrado para desligar um escudo ou raio trator ou rastreador interestelar. Não há bobagens sobre a Força, nem sabres de luz, e mal há sobre a Primeira Ordem, nem uma menção ao Império. Este é um filme dentro do universo de Star Wars que, pela primeira vez, não parece precisar ser uma reedição de Star Wars.

Stardem.com

Essas apostas baixas, caracterizadas por um tom jovial e brincalhão, são refrescantes em um filme de Star Wars, o que me fez pensar: a galáxia é grande o suficiente para muitos tipos diferentes de filmes. Nem todos têm que ser o bem contra o mal, cheios de sabres de luz e batalhas espaciais. Enquanto Solo teve controvérsia fora da tela e tem problemas, talvez sua contribuição mais importante seja a expansão da ideia do que uma "história Star Wars" pode ser.

Solo: Uma História Star Wars estreia no dia 24 de maio.