Será Luke Skywalker um vilão em Star Wars: Os Últimos Jedi?

A cada dia que passa, estamos mais próximos da estreia do novo filme da maior franquia de cinema de todos os tempos, Star Wars: Os Últimos Jedi.

Consequentemente, estamos mais próximos de finalmente descobrir qual será o papel desempenhado por Luke Skywalker. O personagem tem sido mantido em uma aura de mistério, o que tem feito com que vários fãs fiquem malucos, criando diversas teorias. Umas das mais populares é a de que Luke poderia ser o novo vilão naquela galáxia muito, muito distante.

Darth Luke

Darth Luke

Desde o lançamento de Star Wars: O Despertar da Força, muita gente tem especulado que Luke Skywalker poderia ter se voltado para o lado sombrio da Força. Essa teoria ganhou muita força (não foi um trocadilho intencional) graças ao mistério em volta do personagem e sua ausência dos pôsteres e trailers de divulgação do filme.

O filme estreou e as dúvidas acerca do alinhamento de Luke persistiram. Seu aparecimento na última cena não foi suficiente para saber se ele continua sendo um dos mocinhos. Em adição, descobrimos durante o decorrer do filme que, após ter sua academia Jedi destruída e ver Kylo Ren, um de seus discípulos, seduzido pelo lado sombrio, Luke desapareceu pela galáxia. Portanto, ninguém sabe exatamente o que ele esteve fazendo nesses últimos anos.

É mistério suficiente para que as pessoas suspeitem que Luke agora possa ser um Lorde Sith. Confira abaixo as principais evidências que apontam Luke como um vilão.

Evidência 1: Trailer

Evidências

Uma das principais pistas para essa teoria está presente no trailer de Os Últimos Jedi. Nesse trailer ouvimos o próprio Luke Skywalker dizer a seguinte frase:

"Eu apenas sei de uma verdade... está na hora dos Jedi acabar."

Por mais que essas palavras possam apenas indicar que Luke está relutante em treinar a Rey, muitas pessoas interpretam essas palavras de outro modo. Luke estaria desiludido com o lado claro da Força, e por isso quer a extinção dos Jedi. Essa seria a primeira dica de sua aliança com o lado sombrio. 

Evidência 2: Arte conceitual

Evidências

Outra evidência apontada por fãs de Star Wars é uma das artes conceituais de O Despertar da Força. Nessa imagem podemos ver Luke admirando o capacete de Darth Vader. Obviamente, isso é apenas uma imagem utilizada na produção do filme, não a história finalizada. Essa ideia não foi aplicada ao Luke, mas sim a outro personagem, Kylo Ren, um dos vilões dessa nova saga. É muito suspeito que isso já tenha sido considerado para o Luke.

Evidência 3: Episódios V e VI

Episódios V e VI

Essa evidência não se sustenta em frases que podem estar fora de contexto ou em imagens da fase de desenvolvimento do filme. Agora estamos utilizando a própria obra Star Wars.

Em O Império Contra-Ataca, vemos Luke dar prosseguimento ao seu treinamento Jedi. Contudo, Yoda não está tão feliz com isso, pois acha Luke velho demais para isso. É um problema, pois Anakin Skywalker também teve seu treinamento quando velho e depois se tornou um lorde Sith. Yoda só concorda com o treinamento por Luke ser a única esperança para os Jedi.

Durante seus treinos, Luke precisa passar pelo desafio da caverna, que deve encarar aquilo que está dentro de si mesmo. O que encontra dentro da caverna é a figura de Darth Vader. Ao derrotá-lo, o capacete explode, revelando o rosto do próprio Luke por baixo da máscara. Isso pode ser interpretado como um lado sombrio que Luke possui dentro de si mesmo.

Já no Retorno de Jedi, vemos Luke já com seu treinamento Jedi concluído. Contudo, age de forma muito estranha para um Jedi. Faz ameaças e mente (além de usar uma roupa preta bem trevosa). Também nesse filme é mostrado que o Imperador vê trevas dentro de Luke e tenta seduzi-lo para o lado sombrio. No último momento, quando iria matar Vader, Luke percebe que estava se tornando igual ao Sith e desiste, dizendo ser um Jedi.

Evidência 4: Planos originais

Planos originais

Voltando para as evidências de fora dos filmes. Nesse caso, na ideia original de como o Retorno de Jedi iria terminar. Os planos para o encerramento da trilogia clássica traziam um final bem mais agridoce do que aquele que foi entregado.

Originalmente, Han Solo seria resgatado, mas morreria mais tarde em uma invasão a uma base do Império. Leia teria que atuar como uma rainha. Luke, por sua vez, começaria uma jornada solitária pela galáxia. Tanto a morte de Han Solo quanto o desaparecimento de Luke foram incorporados em O Despertar da Força. Contudo, ainda há outra ideia que não foi utilizada na época.

Trata-se de uma ideia de Mark Hamill, o ator que dá vida a Luke Skywalker. Ele queria que Luke sucumbisse ao lado sombrio da força, pois, como ator, seria algo mais interessante de interpretar. É possível vê-lo falar sobre isso no programa Dinner for Five de 17 de junho de 2005, em entrevista para Kevin Smith. Nesse mesmo programa estava presente J.J. Abrams, diretor responsável pela volta de Star Wars.

Uma outra teoria: Luke, o Cinzento

Luke, o Cinzento

Pode ter um nome digno de um mago de Senhor dos Anéis, mas esse título está de acordo com a ideia desta outra teoria. Assim como a anterior, também afirma que Luke não seria mais um Jedi. Contudo, também diz que ele tampouco seria um Sith. O personagem seria algo inteiramente novo.

Cansado desse conflito de lados opostos destinados a se combaterem, Luke teria encontrado um terceira alternativa. A teoria diz que ele teria encontrado um meio-termo da Força, nem luz, nem escuridão, nem bom, nem mal. Se os lados dos Jedi e dos Sith podem ser representados, respectivamente, pelas cores branca e preta, Luke seria o cinza, o encontro delas. Por essa razão os Jedi deveriam acabar.

Essa teoria também usa o trailer como embasamento. Condiz também com a fala de Rey, que, após Luke perguntar "O que você vê?", ela responde:

"Luz... trevas... o equilíbrio."

Luke então adiciona "It's so much bigger" que pode ser traduzido tanto como "É muito maior", e como "É muito mais que isso". Essa segunda interpretação se encaixa perfeitamente com a teoria de que Luke vê além da dualidade dos Jedi e Sith.

Outro ponto de apoio à essa teoria são as filosofias orientais, principais fontes de inspiração para a criação das crenças da Força. A teoria condiz com o conceito budista do "Caminho do meio", uma prática de não extremismo de ideias, que incentiva a moderação e a busca pelo meio-termo. O Caminho do meio oferece uma forma de libertação, mostrando que todas as dualidades do mundo são ilusórias.

Talvez Luke tenha encontrado o caminho do meio entre o Lado da Luz e o Lado das Trevas. 

No fim das contas, tudo isso não passa de especulação e um exercício de criatividade da parte dos fãs. Talvez só teremos a resposta no final do ano, quando o filme estrear. Mas qual é a sua opinião? Luke é um Sith? Ou ele é uma outra coisa, nem Sith nem Jedi?

Star Wars: Os Últimos Jedi tem sua estreia no Brasil prevista para 14 de dezembro de 2017.