Por que Kylo Ren não mentiu sobre a identidade dos pais de Rey

Desde a estreia de O Despertar da Força que os aficionados por Star Wars criaram várias teorias sobre a verdadeira identidade dos pais de Rey. A jovem abandonada em Jakku estava no centro de um mistério que agora teve sua resolução em Os Últimos Jedi.

A resposta surpreendente veio de Kylo Ren, mas muitos duvidam se podemos acreditar no filho de Leia e Han Solo. Será que Kylo mentiu a Rey?

Contém spoilers para Star Wars: Os Últimos Jedi.

A revelação de Kylo Ren

Kylo Ren

Ao longo de todo o filme vemos a evolução da relação complexa entre Rey e Kylo Ren, uma proximidade que se desenvolve com sua conexão através da Força (criada e manipulada por Snoke). Num dos pontos altos da sua ligação, Kylo e Rey conseguem tocar suas mãos mesmo estando separados por distâncias astronômicas – e aquilo que ambos veem, mudará seus destinos.

Os dois têm visões diferentes um sobre o outro, mas Kylo Ren revela mais tarde a Rey que viu quem seus pais eram quando suas mãos tocaram. Depois de matar o Líder Supremo Snoke e juntos destruírem a sua guarda pessoal, Kylo revela dolorosamente a verdade sobre os pais de Rey:

“Você sabe a verdade sobre seus pais? Ou sempre soube? Você apenas escondeu isso… Diga.”

“Eles não eram ninguém.” diz Rey

“Eles eram comerciantes de lixo imundos. Eles te venderam por dinheiro para beber. Eles estão mortos em um túmulo de mendigos no deserto de Jakku. Você vem do nada. Você é ninguém… Mas não para mim.”

Estaria Kylo dizendo a verdade?

Rey

Em entrevista à Entertainment Weekly, Rian Johnson (diretor e roteirista do filme) falou sobre a revelação dos pais de Rey mas deixou um aviso sobre o terceiro filme da trilogia atual. Johnson explicou que J.J. Abrams e Chris Terrio estão atualmente escrevendo o roteiro do capítulo final e que pode haver mudanças à sua solução para Rey:

“Eu não posso falar sobre o que eles vão fazer. E sempre há, nesses filmes, uma questão de certo ponto de vista. Mas para mim, nesse momento, Kylo acredita que é a verdade. Eu não acho que ele está puramente jogando xadrez. Eu acho que é isso que ele viu quando tocaram os dedos e é o que ele acredita. E quando ele diz isso a ela naquele momento, ela acredita.”

Quando Johnson escreveu o filme, não existiam limites ou respostas para a identidade dos pais de Rey. O diretor tem sido honesto em várias publicações sobre como chegou à sua solução e a dúvida se isso será mantido no terceiro filme:

“Eu estava pensando, qual é a resposta mais poderosa a esta pergunta? Significado poderoso: qual é a coisa mais difícil que Rey podia ouvir? É isso que você busca nos desafios aos seus personagens.”

Rian Johnson falou ainda de como, na trilogia original, o mais difícil para Luke foi descobrir que seu pai era Darth Vader e como isso obrigou o personagem e o público a repensarem o herói como parte do vilão. Relacionando isso com Os Últimos Jedi, Johnson argumenta:

“No nosso filme, é o oposto. A coisa mais fácil para Rey e o público ouvirem é ‘Oh, sim, você é a filha de fulano e sicrano. Isso seria a realização de um desejo e entregar instantaneamente a ela um lugar nessa história, de mão beijada.”

A visão de Rey na caverna

Rey

Antes de Rey ouvir as palavras difíceis de Kylo Ren sobre seus pais, ela passa por uma experiência que a prepara para esta verdade. Na caverna de Ahch-To onde o lado negro da força domina, Rey vê seu reflexo multiplicado infinitamente. Mexendo uma mão, estalando os dedos, todos os movimentos são repetidos continuamente, como se ela não tivesse controle das suas ações.

Muitos têm visto esta cena na cave como uma interpretação do destino, como se Rey visse e seguisse seu caminho sem tomar nenhuma ação de livre arbítrio. Mas esta corrente parece ser quebrada quando ela chega à última representação de si mesma e pede para ver seus pais. Duas sombras aparecem, um homem e uma mulher, e se juntam para revelarem uma só pessoa: Rey.

A obsessão de Rey pelo seu passado não lhe traz respostas no presente, por muito que ela tente. A visão na cave parece responder a algo mais importante que a identidade dos seus pais e deixar um aviso para o seu futuro, tal como aconteceu com Luke na caverna em Dagobah (O Império Contra-Ataca).

Os pais de Rey não são importantes na sua vida atual nem no seu futuro e esta obsessão pode levar a jovem de Jakku a se perder no seu destino. Para encontrar seu lugar no mundo, Rey precisa definir a si própria, longe de legados familiares que nada importam para o agora. Chegou o momento de ela deixar de repetir os movimentos contínuos como os do reflexo multiplicado, e passar a ter domínio da sua vida.

Embora com objetivos profundamente diferente de Kylo Ren, é a frase do filho de Leia que melhor retrata um dos temas do filme:

“Deixe o passado morrer. Mate-o, se for preciso. É o único jeito de cumprir o seu destino.”

Rey precisa aceitar a verdade sobre seus pais e largar a garotinha que foi abandonada em Jakku. Com a morte de Luke Skywalker – o seu mestre – ela tem de criar um novo caminho para si e a Resistência, um caminho do qual seu passado não faz parte.

A importância e significado da Força não pertencer apenas a uma elite

Rey

Star Wars: Os Últimos Jedi não quer saber de linhagens poderosas, do sangue Skywalker ou de Midi-chlorians para explicar a Força. A heroína da nova trilogia vem de um lugar sem importância e seus pais não são grandes nomes da história Star Wars.

Nada disso explica o poder impressionante da Força em Rey, nem precisa explicar. Rey é especial por ser como é, sem precisar de pais lendários que a definam. E é através desta revelação importante que o filme deixa sua mensagem inovadora e finalmente se afasta da linhagem Skywalker como o centro do universo Star Wars.

Como Rian Johnson explicou, esta reviravolta nas expectativas do público é importante para a história e faz sentido no desenvolvimento da personagem. Se Rey fosse mais uma descendente de uma figura lendária, a sua importância individual seria diminuída e seria algo que já tínhamos visto anteriormente.

Luke explicou a Rey que a Força não é exclusiva dos Jedi, que é algo presente em tudo e todos. Ele chama de “vaidade” achar que a Força morre com os Jedi, porque ele sabe que a Força não é algo que apenas pertence a uma elite. Esta mensagem é reforçada no final do filme, com o garoto de Canto Bight, mostrando ser sensitivo à Força.

Para muitos fãs pode ser uma grande desilusão que Rey não vá ao encontro daquilo que esperavam nas suas teorias. Mas existe uma importância poderosa em entender que qualquer um, seja qual for o seu nascimento, pode alcançar grandes feitos e criar o seu próprio legado na galáxia.