Os 6 melhores filmes de Guillermo del Toro (segundo o próprio diretor)

Com o sucesso de A Forma da Água, seu diretor, Guillermo del Toro, nunca antes teve tanta atenção voltada para seu nome. Mas você conhece bem a carreira desse diretor, roteirista e produtor que faz cinema há mais de 30 anos? Conheça agora um pouco sobre del Toro e sua filmografia.

Estes são os 6 melhores filmes desse diretor, ranqueados pelo próprio Guillermo del Toro em uma resposta para o site Cinema Blend.

6. Círculo de Fogo (Pacific Rim, 2013)

Pacific Rim

A paixão de del Toro por monstros não tem preferência formas ou tamanho, então por que não fazer um filme sobre monstros gigantes? É exatamente isso que podemos ver em Círculo de Fogo. O filme conta como a Terra passou a sofrer incessantes ataques de monstros gigantescos após um misterioso portal interdimensional surgiu no fundo do Oceano Pacífico. Para se defender, a humanidade desenvolveu robôs gigantes para lutar contra essas criaturas.

Muitos podem dizer que Círculo de Fogo não passa de um filme comercial, um blockbuster de ação vazio de significado. No entanto, o filme também mostra ser uma homenagem de del Toro para todos os seriados de heróis japoneses (Super Sentai e Ultraman), animes (Evangelion), e filmes (Godzilla) que fizeram a alegria de sua infância.

5. Hellboy II: O Exército Dourado (Hellboy II: The Golden Army, 2008)

Hellboy II

Na sequência do filme de 2004, Hellboy, um demônio do inferno que trabalha como investigador paranormal para os Estados Unidos, precisa impedir os planos de um príncipe da raça ancestral do povo da floresta. Esse príncipe quer encontrar as três peças da coroa que lhe dará controle sobre o Exército Dourado, uma força militar mágica e indestrutível. Hellboy e seus aliados tentarão impedi-lo, mas será confrontado não só fisicamente, mas também ideologicamente.

É fácil entender o porquê de del Toro escolher este filme como favorito e não seu antecessor. Neste filme o diretor, que também foi o roteirista, pôde trabalhar com esses personagens em uma história própria para o cinema, sem ter que se apoiar muito nos quadrinhos de Mike Mignola. Uma liberdade criativa que o possibilitou criar um mundo de fadas, duendes e monstros. Também é um de seus filmes que mais utilizou efeitos especiais na concepção das criaturas e cenários.

4. A Colina Escarlate (Crimson Peak, 2015)

Colina Escarlate

Neste filme somos apresentados à história da jovem escritora Edith, que se apaixona e casa com o Sir Thomas Sharpe. A jovem então vai viver junto de seu marido na misteriosa mansão no alto de uma colina de sua propriedade, onde terá que conviver também com a irmã de Thomas, a Lady Lucille. A mansão esconde segredos terríveis e fantasmas assustadores, mas Edith aprenderá que não são os mortos quem deve temer.

A Colina Escarlate é um filme com uma atmosfera sinistra e cujas cores possuem um papel fundamental ao contar a história. Neste filme, del Toro teve a oportunidade de aplicar no trabalho outras de suas paixões e interesses. No caso, foi extremamente inspirado por romances góticos, por pinturas de artistas como Casper David Friedrich, e também por filmes da era preto e branco. Del Toro queria emular a atmosfera dessas obras, mas adicionando um toque de violência, questionamento de gênero e sexualidade.

3. O Labirinto do Fauno (El Laberinto del Fauno, 2006)

Labirinto do fauno

Quatro anos depois da Guerra Civil Espanhola, a garotinha Ofelia vai morar no interior com sua mãe grávida e seu padastro, o cruel Capitão Vidal. Em meio a um ambiente caótico e ameaçador, Ofelia descobre um labirinto e um fauno, uma criatura fantástica. Esse ser mágico diz ser capaz de levar Ofelia para um mundo encantado onde poderá conhecer seu pai verdadeiro, desde que ela cumpra três tarefas assustadoras.

Trata-se de um filme de época que mescla a inocência infantil dos contos de fadas com a crueza e a violência do mundo adulto. Ou seja, um filme que jamais seria produzido por Hollywood. Ainda assim, foi considerado um dos melhores filmes de 2006, e levou para casa três Oscars (melhor direção e arte, cinematografia e maquiagem).

2. A Espinha do Diabo (El Espinazo del Diablo, 2001)

Espinha do diabo

A história desse filme também tem relação com a Guerra Civil Espanhola, passando-se durante o último ano desse conflito. Acompanhamos Carlos, recentemente órfão, filho de pais que lutavam contra o regime fascista. O garoto é levado para um orfanato onde, apesar se ser bem recebido pela diretora e o professor do lugar, começa a descobrir segredos sinistros, como o fantasma de um garoto chamado Santi.

A Espinha do Diabo é um filme que tem por objetivo mostrar o que acontece com as crianças durante períodos de guerra, e como elas lidam com uma situação tão tumultuosa. Ao mesmo tempo, o filme possui o toque sobrenatural característico de del Toro. O diretor diz que O Labirinto do Fauno serve como uma espécie de sucessor deste filme.

1. A Forma da Água (The Shape of Water, 2017)

A Forma da Água

Um conto de fadas moderno sobre preconceito, solidão e amor. A história gira entorno do romance entre Elisa, uma faxineira muda que trabalha em um laboratório governamental, e uma criatura anfíbia que é mantida presa nesse laboratório. Com ajuda de seus amigos, Elisa paneja libertar a criatura, ao mesmo tempo que precisa lidar com a fúria de Richard, o oficial responsável pela supervisão do prisioneiro. 

É possível que del Toro tenha colocado A Forma da Água no topo de sua lista apenas por estar promovendo o filme, mas é inegável que se trata de um filme belíssimo. Foi muito bem recebido tanto pelo público quanto por críticos. Na cerimônia do Oscar de 2017, foi indicado a treze categorias e recebeu o prêmio em quatro delas (Melhor filme, diretor, design de produção, e trilha sonora original).

Quem é del Toro?

Del Toro

Guillermo Del Toro é um cineasta mexicano conhecido principalmente por seus trabalhos nos gêneros de dark fantasy (fantasia sombria) e horror. Seu primeiro filme longa-metragem foi Cronos, lançado em 1993. Já esteve envolvido na adaptação de super-heróis dos quadrinhos para o cinema, como é o caso dos filmes Blade II - O caçador de Vampiros (Blade II, 2002) e Hellboy (2004).

O diretor também famoso pelo seu fascínio por monstros, presentes em quase todas as suas obras. Segundo del Toro, os monstros são cheios de significados, praticamente metáforas ambulantes. Dependendo da história, podem simbolizar o que as pessoas temem, enquanto que em outras podem representar desejos, e as falhas de de outros personagens. Além disso, o diretor se diverte com essas criaturas e gosta de explicá-los em seus filmes das mais variadas formas, seja social, biológico ou mitologicamente.

Essa é a lista dos melhores filmes de del Toro, segundo o próprio diretor. Será que ele já possui mais algum monstro em produção, mais um filme que irá nos encantar e assustar ao mesmo tempo?