Crítica Power Rangers: Se é para sentir nostalgia, que não seja deste jeito

Power Rangers é uma série norte-americana que estreou em 1993 e ainda hoje continua produzindo novos episódios. A saga mais popular da série é a Mighty Morphin, que por sinal, foi a primeira. Contou com três temporadas e serviu de inspiração para o novo filme que a Lionsgate produziu em parceria com a Saban (estúdio criador da franquia).

O filme conta com a participação de atores consagrados como Bryan Cranston (Zordon), Elizabeth Banks (Rita Repulsa) e Bill Hader (Alpha-5). Já os para os papéis dos Rangers, o diretor Dean Israelite escolheu um elenco de jovem atores. Composto por Naomi Scott (Kimberly), Dacre Montgomery (Jason), RJ Cyler (Billy), Ludi Lin (Zack) e Becky G (Trini).

ATENÇÃO: Esta crítica contem spoilers!

O filme até que começou bem

rita repulsa

Assim que o filme começa, temos a oportunidade de ver Zordon vestindo o traje de Ranger Vermelho e Rita Repulsa utilizando o uniforme de Ranger Verde. O tom desta cena é bem sombrio e podemos assistir a um planeta sendo completamente destruído. 

Se você era fã da saga na infância, este momento capta a sua atenção. Infelizmente, este deve ser provavelmente o melhor momento do filme, pois a partir daqui, tudo piorou a uma velocidade assustadora.

Vá buscar o seu guarda chuva, pois estão chovendo clichês

ranger rosa

Os personagens principais são apresentados da forma mais brega e cheia de clichés que você possa imaginar. Todos eles têm problemas de adolescentes, que já vimos aparecendo em milhares de filmes. Uma, tem problemas com a sua sexualidade, outro é um marginal, outro é vítima de bullying, um deles tem a mãe doente e por fim, uma das garotas foi expulsa da claque da escola.

Não fosse isso ruim o suficiente, todos são apresentados com uma escolha musical de qualidade bastante questionável (a da Ranger Amarela chega até a ser hilariante).

O Zordon não devia ser um cara sábio?

zordon

Na série, Zordon funciona quase como uma espécie de compasso moral para os Rangers, lhes dizendo o que fazer e o que não fazer, mais de que isso ele é um cara super altruísta que coloca sempre os seus interesses em segundo plano. Já no filme, ele é um trouxa... O cara está mais preocupado em se libertar da parede onde ficou aprisionado, do que em fazer com que os garotos se tornem os Rangers.

Esta versão do Zordon, chega até a desistir dos adolescentes, dizendo que eles não são merecedores das Moedas do Poder... Este cara não é muito bom em motivar times.

Os diálogos são horríveis

power rangers

O diretor e executivos responsáveis pelo filme tentaram nitidamente agradar a dois estilos de público bem diferentes. Aqueles que acompanharam a primeira saga e já têm mais de 20 anos de idade, e a uma faixa etária mais infantil. Contudo, isto foi algo que não deu resultado.

Se você for uma criança, a saga Mighty Morphin não vai te dizer muito, uma vez que quando ela estreou, você ainda nem era nascido. Por outro lado, se você assistiu aos Mighty Morphin  na infância, terá uma tarefa difícil em aceitar estes diálogos.

Os personagens não podem usar gírias. As piadas são extremamente infantis e previsíveis, os momentos que poderiam ter algum potencial (a cena na fogueira, onde todos estão se conectando emocionalmente), são desperdiçados com diálogos óbvios e superficiais.

A trama parece um queijo suíço, cheia de buracos

zords

Meu deus, essa trama está repleta de buracos. Por exemplo, temos um momento em que um personagem que diz que não sabe dirigir, começa miraculosamente, passados alguns segundos a conduzir uma caminhonete sem qualquer dificuldade.

Ainda no capítulo da condução, nenhum dos Rangers sabe como dirigir um Zord, no entanto, eles os utilizam com a maestria de quem já faz aquilo há vários anos.

Antes de tudo isso, os Rangers não são apresentados de uma forma conveniente. É certo que não poderiam aprofundar a história de cada um deles a fundo (de outro jeito o filme teria 4 horas), mas por vezes, eles são tão vagos e confusos que nem chegam a fazer sentido.

E bem no final do filme, eles derrotam a Rita Repulsa com uma bofetada, projetando a vilã para fora do planeta Terra, contudo nenhum dos Rangers soube onde ela foi parar... Mas também não pareceram muito preocupados com isso.

Em relação aos aspetos técnicos

alpha 5

Os efeitos especiais são extremamente imprevisíveis ao longo do filme. Enquanto que em algumas cenas eles estão incrivelmente bem executados, existem momentos em que eles parecem completamente artificiais. Um bom exemplo disso é o androide Alpha-5, que apesar de ter uma boa química com os restantes personagens, sua aparência deixa muito a desejar.

A nível de som, o filme não segue qualquer tipo de linha orientadora. Num momento você está ouvindo uma orquestração épica e quando você repara, de repente, está ouvindo um tema do Kanye West, ou o da abertura da série original dos Power Rangers.

Por fim, este filme tem o pior product placement de todos os tempos

Krispy Kreme

Você não vai acreditar, mas a marca de Donuts, Krispy Kreme deve ter dado um montão de grana para aparecer tantas vezes no filme! A Krispy Kreme tem ainda um papel fundamental na trama do filme, algo que transforma a experiência cinematográfica, apenas num longo comercial de mais de 2 horas.

Considerações finais

power rangers

Não, nem tudo é horrível, existem alguns pontos positivos. O Ranger Azul interpretado por RJ Cyler é um cara divertido, Bill Hader e Bryan Cranston fizeram um bom trabalho enquanto Alpha-5 e Zordon e Naomi Scott tem alguns bons momentos enquanto Kimberly.

Você ainda terá direito a um breve cameo com atores da série original da telinha, e a uma cena pós-créditos, que apresenta Tommy Oliver, almejando a uma possível sequência.

Mas apesar disto, o filme deixa muito a desejar. A história é previsível, os personagens não têm profundidade e as suas motivações não são claras. A vilã interpretada por Elizabeth Banks é provavelmente a pior personagem de todo o filme. A atriz já deve começar a se preparar para uma possível nomeação a Framboesa de Ouro.

Por fim, se você é um cara nostálgico vá ver Power Rangers ao cinema, mas se prepare. Porque esse sentimento vai rapidamente ser substituído por uma sensação de desilusão e infância destruída.