CRÍTICA O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio | Mais do mesmo!

O filme O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio era um dos mais esperados dos últimos anos pelos fãs da franquia que iniciou em 1984 com o filme O Exterminador do Futuro.

Ciente disso mesmo, Hollywood pegou na nostalgia desses fãs e a embrulhou em efeitos especiais impressionantes e cenas de ação bem coreografadas. Suficiente? Não, de todo! O filme dirigido segue os moldes de todos os remakes, reebots e sequências da última década não oferecendo rigorosamente nada de novo.

Se você é fã do T-800 e de todo o universo que o rodeia, então você deve ir até ao cinema ver O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio, caso esteja só procurando um bom filme para assistir, então este não é a escolha acertada a fazer no momento de comprar o ingresso.

Tecnologia não é tudo

exterminador

Uma coisa é inegável, esta franquia teve um papel muito importante no cinema dos anos 80, pois existia uma necessidade de explorar as mais recentes descobertas ligadas à tecnologia de efeitos especiais e podemos dizer que isso é algo que se manteve até aos dias de hoje.

Em O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio, podemos ver essa tradição continuando, com efeitos especiais fantásticos e que enchem os olhos de qualquer espetador, ou seja, a tecnologia permitiu que existisse uma evolução positiva dos filmes dos anos 80 até aos dias de hoje.

Contudo existe algo mais importante que efeitos especiais e isso é a trama e o roteiro. Enquanto que a tecnologia fez com que os visuais desta franquia evoluíssem, nada foi feito para mudar a abordagem ou a forma como a história é contada. O filme é previsível e não acaba por trazer nada de novo... Algo bem maçador e que se torna substancialmente pior no decorrer das duas horas de duração do longa.

Nostalgia não faz um filme

exterminador

É certo que para os fãs da franquia ver dois dos personagens principais se juntando de novo passados 28 anos é algo que por si é suficiente para fazer deste um bom filme, mas num ponto de vista cinematográfico as coisas não são assim tão simples.

Durante o longa ficamos com a sensação de que o filme é mesmo isso, uma forma de explorar o sentimento de nostalgia que rodeia a comunidade de fãs, não oferecendo nada de novo ou estimulante para o espetador ordinário.

Ver estes personagens de regresso dizendo algumas frases icônicas da franquia, acaba por ser só embaraçoso, passando uma verdadeira sensação de que alguém está explorando os sentimentos dos fãs pela franquia.

Desperdício de talento

exterminador

Enquanto que Arnold Schwarzenegger não é propriamente um ator brilhante e Linda Hamilton nunca teve uma carreira brilhante o elenco tem dois atores que se destacam pela positiva.

Natalia Reyes e Gabriel Luna cumprem muito bem os papéis que têm que desempenhar, ficando apenas o sentimento de que ambos os atores não necessitavam de fazer parte desta franquia e que o seu talento seria muito mais rentabilizado num filme diferente com uma abordagem mais independente.

O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio é a prova de que um orçamento bem grande, não faz um filme e que sem um bom roteiro e uma boa história não existe um bom filme.

Uma experiência esquecível

exterminador

Depois de assistir a O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio, ficamos com a sensação de que só vimos mais um filme de ação que cobre os mesmos elementos que centenas de outros filmes do mesmo gênero. Não existe nada de único ou inovador que fique na cabeça dos espetadores.

Os filmes de ação não precisam de ser sempre iguais, nem de cair nos mesmos clichés de sempre... Não é que O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio seja um filme horrível, mas simplesmente não acrescenta nada.

No final das mais de duas horas de filmes chegamos à conclusão que acabamos de assistir a mais do mesmo e que para isso mais valia ter ficado em casa.

FIQUE LIGADO:

As frases do Exterminador do Futuro que ninguém esquece

Mortal Kombat 11 | Revelado primeiro Brutality do Exterminador do Futuro!

Os 43 filmes mais esperados de 2020!