Crítica Aves de Rapina | A emancipação que a Arlequina precisava!

Quando o mundo se deparou com Esquadrão Suicida, as críticas negativas não foram poucas. É bastante comum encontrar pessoas que ainda falem mal do filme até hoje, mas graças a ele, nós temos uma das coisas mais sensacionais que a DC nos apresentou: a Arlequina.

E é sobre isso que Aves de Rapina: Arlequina e sua Emancipação Fantabulosa se trata. É sobre o fato de que a personagem não precisa carregar o fardo de um filme ruim ligado a ela. É sobre garotas que estão prontas pra se defender e defender umas as outras. E isso é um dos motivos que faz Aves de Rapina ser um dos melhores acertos da DC nos cinemas.

Como tudo começou

Aves de Rapina: Arlequina e sua Emancipação Fantabulosa

Tá todo mundo cansado de saber que Arlequina é apaixonada pelo seu pudinzinho, o infame Coringa. Mas, como todo relacionamento (ou boa parte deles), os dois chegam a um ponto final e Arlequina fica desesperada sem saber o que fazer, tudo na tentativa de superar seu Sr. C.

E agora com um novo vilão no caminho, pronto para tomar Gotham, Arlequina se torna um alvo muito fácil na mão de Roman Sionis. Até ela ter que lidar com o desaparecimento de algo muito importante para o conhecido Máscara Negra. E é ali que a emancipação da Arlequina começa, ao lado de garotas que buscam o mesmo.

Um dos maiores acertos da DC

Aves de Rapina: Arlequina e sua Emancipação Fantabulosa

Quando falamos no universo DC nos cinemas, é bastante comum que um friozinho bata na nossa barriga, isso porque não são todos os filmes que conseguiram agradar a crítica e o público. E com Aves de Rapina não poderia ser diferente, mas ainda bem que muitos dos que duvidaram estavam errados.

O filme é tudo aquilo que Esquadrão Suicida prometeu ser em 2016 e não foi! Ele é um filme com uma paleta de cores viva, com o tom certo entre as piadas e a seriedade que ele merece em alguns momentos. A direção de Cathy Yan trouxe ótimas cenas, personagens que por mais que sejam distintos, os problemas acabam se cruzando e a única opção é se juntarem para enfrentar isso.

Aves de Rapina é porradaria do começo ao fim, de forma dosada, mas que tira o fôlego do espectador. Chad Stahelski, diretor de John Wick, foi quem coordenou as cenas de luta e ele soube fazer isso muito bem. Você olha o grupo fazendo suas peripécias e a única coisa que pensa é: “Meu Deus, eu quero fazer também”.

Apesar de alguns personagens terem tido uma introdução mais básica e meio "apagada", o filme não é apenas da estrela Harley Quinn.

Ela tem o foco porque o público já a conhece, mas isso não impede da gente conhecer a história das outras personagens, como a Canário Negro e a Caçadora. Inclusive, quem narra toda a história e a Arlequina, então nós temos introduções divertidas enquanto ela abre as portas para conhecer melhor as outras personagens.

Os personagens de Aves de Rapina

Máscara Negra em Aves de Rapina

Começando por Ewan McGregor, que está brilhando mais uma vez nas telas dos cinemas. Em novembro, vimos o ator dar um baile com Doutor Sono e agora, nosso eterno Obi-Wan Kenobi retorna com uma atuação impecável como Roman Sionis.

Ele conseguiu transmitir um misto de loucura, autoridade e leves traços de psicopatia. Há uma cena em questão que ele foi tão além, que você torce pra ele apanhar das garotas.

Jurnee Smollet-Bell brilhou em seu papel como Canário Negro. Apesar do melhor ficar para o final, a atriz incorporou tão bem a versão da personagem, que é quase impossível vislumbrar outra pessoa para viver a heroína.

Você sente a dor da personagem, a seriedade e a quietude dela em diversos momentos, chegando a compartilhar da tensão e medo que ela sente em relação à Cassandra Cain.

Mary Elizabeth Winstead já é uma grande conhecida do público. Para quem não sabe, foi ela quem fez Ramona Flowers em Scott Pillgrim Contra o Mundo. E ela segue brilhando, agora como a Caçadora, que busca vingança e chega a ser cômica a sua apresentação por diversos motivos, mas que mesmo assim, não faz com que ela perca a pose de durona.

E por fim, mas não menos importante, Margot Robbie definitivamente é a nossa Arlequina. Ela nasceu pra interpretar a personagem, a incorporou tão bem, que não tem como enxergar outra pessoa além da própria Robbie ali.

Fora que o que a atriz fez como produtora executiva pela personagem melhorou 100% a imagem dela, mostrando que a Arlequina não precisa ser sexualizada para estar nas telonas.

Siga neste caminho DC!

Aves de Rapina

É o veredito: Aves de Rapina é um dos maiores acertos da DC nos cinemas, um filme que funciona bem, que passa rápido e que não é para crianças, apesar de aparentar um tom leve.

Nós temos uma Harley Quinn boca suja, nós temos uma Harley Quinn cheirando cocaína (isso foi mostrado nos trailers inclusive), nós temos violência demais. Um filme que não funcionaria se fosse para menores de 16 anos.

É a mesma coisa com Deadpool, usando o anti-herói como exemplo. Funcionou porque ele é um herói para os mais velhos, com palavrões, sangue e miolos estourando. O longa do grupo de garotas da DC é basicamente a mesma coisa, seguindo a mesma linha para que dê certo. E deu!

É isso que faz Aves de Rapina: Arlequina e sua Emancipação Fantabulosa dar certo, o fato da gente ter uma personagem que não precisa se prender ao friendly family. Vemos personagens insanas, arrebentando todo mundo sem mais nem menos e que explode de raiva, xinga, chora. Vemos o lado humano das Aves de Rapina, mas sem deixar a peteca cair.

DICA: Não levantem da cadeira. Tem cenas pós-créditos!

Aves de Rapina: Arlequina e sua Emancipação Fantabulosa chega aos cinemas nesta quinta-feira, dia 6 de fevereiro.

FIQUE LIGADO:

Você tem de conhecer estes 8 fatos sobre as Aves de Rapina!

Aves de Rapina | Margot Robbie explica classificação indicativa +18

Aves de Rapina | Conheça todos os personagens do filme!